segunda-feira, 28 de setembro de 2009

PRESIDENTE BORGES D'URSO E O PROTECIONISMO DA CONJUR

Hoje cedo, ao abrir minhas mensagens, vi a notícia sobre o estagiário preso pelo promotor do MPF e fiz comentário na CONJUR. Algumas horas depois, querendo ver outros comentários, notei a censura absolutamente descabida contra meu comentário. Depois, repensando no que tinha escrito, fazendo referências veladas ao presidente da comissão de prerrogativas, percebi que o censor, alguém que deve ser ligado ao Haidar, cortou tudo porque desagradava ao time do D'Urso. Que vergonha: eles querem ainda falar mal do apedeuta desdedado. Mas não é o roto falando do rasgado? Nada demais foi dito, ou será que não? Daí fiz outro, que consta abaixo. Vamos ver o que acontece. De qualquer forma, já é hora do Haidar assumir que estava prontinho para fritar o Marinho no episódio da pornografia explícita por celular, em que prometia até me acompanhar em uma delegacia da PF por conta de que crimes praticados por modo eletrônico são de esfera federal. Depois, hum... deixa ver... o que foi que houve mesmo? Ah, sim! agora me lembro: houve um lançamento de livro que a nossa velha e boa OAB andou "patrocinando" e aí tudo se esvaiu... chegou-se ao ponto de enviar pedido de retirada do nome do mailist... nussssssssss como tem gente venal... vou cantar assim: "se acaso me quiseres, sou desses rastaqueras, que só dizem sim..." Maucaratismo marcante! Parece que agora há pouco, às 19,30hs, publciaram o que está abaixo...
Sandra Paulino
Fiz um comentário, sem ofensas a quem quer que fosse (e para tanto desafio o censor a mostrá-lo na íntegra)e perfeitamente dentro do tema. A moderação, ao que me parece, resolveu simplesmente REMOVER mas alegando quebra das regras do site. Todos sabem, porém, que aquilo que for contra a comissãod e prerogativas ou contra o presidente da seccional paulista, aqui é censurado. Beleza de imparcialidade, hein? Agora, além da vergonha pela atitude do promotorzinho, também estendo esse sentimento ao medíocre censor. Meus pêsames.

Apoios a Rui Fragoso

Advogados progressistas querem Rui Fragoso à frente da OAB SP
23/09/09
Rui Fragoso, candidato da oposição às eleições para a presidência da OAB-SP, que acontece em 17 de novembro próximo, foi duplamente homenageado nesta terça-feira (22/09), na Capital, em eventos de apoio à sua candidatura, que reuniram grande público: no Club Homs, com mais de 400 advogados progressistas de São Paulo, e no Jockey Club, em festa com centenas de jovens advogados.
Nos dois encontros, foram unânimes as declarações contra o terceiro mandato do atual presidente da Ordem paulista, “candidado a imperador da Ordem, rompendo com os mais elementares princípios da democracia”, como definiu Magnus Farkatt, vice-presidente do Sindicato dos Advogados de São Paulo, que coordenou o evento no Club Homs. “Decidimos apoiar Rui Fragoso pelas suas qualidades morais, intelectuais e políticas para presidir a entidade”, declarou.
Rui Fragoso agradeceu a homenagem e falou sobre suas propostas à frente da OAB SP, entre as quais a valorização da classe – especialmente os 48 mil advogados que vivem da assistência judiciária e os assalariados, que recebem o piso de R$ 1.500,00 – e o fortalecimento das prerrogativas dos advogados. Ele enfatizou que é preciso enfrentar e recuperar a Carteira do Ipesp, entre outras prioridades, a exemplo da flexibilização do valor da anuidade, a mais cara do Brasil. E conclamou a todos a não permitirem a “perpetuação no poder” na seccional paulista da Ordem.
Valter Uzzo, ex-presidente do Sindicato dos Advogados de São Paulo, declarou seu apoio a Rui e convocou os advogados progressistas a trabalharem pela vitória dele nas eleições de novembro, “um advogado com história democrática, talhado para ser o novo presidente da Ordem”. Luiz Cláudio Mariz, ex-presidente da Seccional paulista, pediu a todos que fizessem uma “reflexão sobre o papel que a OAB SP vem desempenhando nos últimos seis anos, pois a Ordem está parada, não tem trabalhado para mudar o sistema de Justiça, para recuperar sua imagem, para resgatar a Carteira do Ipesp, pela assistência judiciária e pela valorização do advogado”.

LULA & ZÉ LAIA = FORO DE SÃO PAULO

Gente da laia de um zé desses ou de um lula, só pode se estribar em atos de terrorismo no passado e de banditismo no presente. E o futuro? Desde 23 de agosto passado que "o cara" tinha tramado tudo... vejam no destaque em vermelho abaixo. Sandra Paulino


NOTÍCIAS
27/08/2009 - 18:40
Foro de São Paulo divulga Declaração Final do XV Encontro


Leia, em espanhol, a Declaração Final do XV Encontro do Foro de São Paulo, realizado de 20 a 23 de agosto na Cidade do México: XV ENCUENTRO DEL FORO DE SAO PAULO
20 al 23 de Agosto de 2009-08-22 - Ciudad de México

DECLARACIÓN FINAL

El XV Encuentro del Foro de São Paulo tuvo lugar del 20 al 23 de agosto de 2009 en la Ciudad de México con la participación de 520 delegadas y delegados de 32 países de América Latina y el Caribe, y 38 invitadas e invitados, representando a 63 partidos y organizaciones políticas, fuerzas populares, progresistas y de izquierda. El tema principal del Encuentro fue “las alternativas de la izquierda latinoamericana frente a la crisis capitalista”.

Teniendo al Partido del Trabajo de México y al Partido de la Revolución Democrática como anfitriones, los delegados del XV Encuentro aprobaron la siguiente declaración:

Primero. El Foro São Paulo, a casi veinte años de su fundación, ha mantenido su identidad anti-imperialista y anti-neoliberal. En los encuentros previos que han tenido lugar se han hecho una reflexión permanente sobre los problemas y la crisis del capitalismo, proponiéndose diversas ideas para construir alternativas democráticas y populares. Si el FSP nació en un momento en que el neoliberalismo parecía imponerse sin resistencias, hoy, iniciando la conmemoración del Bicentenario de los numerosos procesos independentistas latinoamericanos y caribeños, podemos afirmar que el FSP, a lo largo de estos años, mantuvo una lucha constante contra esas políticas que han demostrado su quiebra histórica y su fracaso, a la vez que batalla por hacer realidad los sueños y las causas de los Libertadores.

Segundo. La profunda crisis capitalista que se desató el año pasado, teniendo su epicentro en los Estados Unidos, ha impactado a todos los países del mundo y se avizora de larga duración.
A ella se suman otras crisis que sufre el mundo: la medioambiental, la energética y la alimentaria, todo lo cual está agudizando crisis sociales y políticas, en diversos países y regiones del mundo. Cabe agregar que en América Latina y el Caribe se vive una grave crisis de seguridad pública.

En conclusión, estamos ante una crisis sistémica que no sólo pone en cuestión el modelo neoliberal imperante sino, además, al modo capitalista de producción. Ratificamos lo que anunciamos en el Encuentro de Montevideo del año pasado: “no solo estamos ante una época de cambios sino ante un cambio de época”.

Tercero. La crisis mundial, en todos sus niveles y facetas, ha tornado más distante el objetivo de las Naciones Unidas, plasmado en las Metas del Milenio, de reducir la pobreza y el hambre en el mundo. Lo que estamos viendo, y se agravará en los próximos meses, será el desempleo y una caída severa en la calidad de vida de cientos de millones de personas. Cabe resaltar la situación de la mujer sobre la que recaerá la carga más pesada.

Sin embargo, la crisis es también una oportunidad de cambio del mundo unipolar ya que ha acentuado el proceso de constitución de bloques económicos en las distintas regiones del mundo.

Podemos advertir una declinación del poder hegemónico de los Estados Unidos, aunque ésta siga siendo la mayor economía del mundo, conserva el mayor poder militar y mantiene el control de los principales medios de comunicación.

Cuarto. La crisis y el fracaso del neoliberalismo fue advertida por diferentes sectores de la izquierda. El FSP fue especialmente claro en señalar los peligros que entrañaban el monetarismo, el Estado mínimo, la desregulación, la flexibilización, la apertura comercial y financiera, y el Consenso de Washington.

No obstante, la crisis actual no es solo financiera y no se puede explicar únicamente por la falta de controles que propició el neoliberalismo y el agotamiento de las instituciones surgidas de Bretton Woods. Estamos ante una crisis más profunda que la de 1929 y será de larga duración.

Esto se debe a que se produce en una etapa de máxima expansión y hegemonía del modo de
producción capitalista.

Quinto. El desenlace de la crisis abre un amplio abanico de opciones a futuro y será resultado de dos movimientos combinados: la lucha de clases en cada país y los conflictos entre los diferentes Estados y bloques regionales. Es probable que de esta interrelación surjan distintos modelos económicos y políticos: unos serán conservadores, otros progresistas y otros en camino al socialismo.

Sexto. El XV Encuentro del Foro de São Paulo saluda el 50 Aniversario de la Revolución Cubana y reconoce el ejemplo de la Revolución Cubana la que, con su heroica resistencia, ha contribuido de manera fundamental a la nueva época de giro a la izquierda de nuestro continente.

Ratificamos una vez más nuestra condena al bloqueo del imperialismo norteamericano, y reafirmamos nuestra demanda de liberación de los cinco luchadores antiterroristas cubanos, injustamente encarcelados en prisiones de los Estados Unidos.

Séptimo. Una buena parte de países de América Latina y el Caribe vive, desde hace más de una década, un proceso de cambios, desarrollando una creciente lucha por su soberanía y por los derechos y el bienestar de sus pueblos. Los efectos de la crisis tendrán un impacto y pueden hacer retroceder lo que se había avanzado en materia de crecimiento económico, empleo y disminución de la pobreza. Así mismo, hará más evidentes los límites y problemas de las economías primario exportadoras y controladas por poderosos oligopolios ajenas a modelos de desarrollo al servicio de los pueblos, de su bienestar, progreso y libertad.

No obstante, hay que advertir que la crisis no afectará a todos los países por igual. Los países primario exportadores y los altamente dependientes de Estados Unidos, como México, tendrán una caída más fuerte en su crecimiento económico y la crisis será más prolongada. En el caso de los países gobernados por la izquierda, habrá mejores posibilidades de sortear los problemas, especialmente si se hacen esfuerzos por fortalecer las economías internas y la integración regional. Cabe señalar, sin embargo, que, pese a que el margen de maniobra de estos gobiernos puede verse reducido, la crisis puede llevar a una profundización de cambios.

Octavo. La derecha latinoamericana ha definido diversas estrategias para detener el avance de la izquierda y para sabotear a sus gobiernos, partidos y movimientos. De un lado, está dando un renovado brío al militarismo y a la criminalización de la protesta social, con rasgos anticomunistas y racistas. Del otro, la derecha se apoya en el control de los principales medios de comunicación para desprestigiar a los partidos políticos y fortalecer a los poderes fácticos. Cabe anotar, que uno de los rasgos del proceso de cambios, especialmente en la región andina, ha sido la lucha por la incorporación en la vida política, económica y social de los pueblos originarios, indígenas y las mayorías excluidas mediante vigorosos movimientos sociales.

Denunciamos la estrategia de la derecha de utilizar como pretexto la lucha contra el crimen organizado para promover políticas de seguridad que militarizan las sociedades, reducen el espacio de la acción política para la izquierda, criminalizan la lucha social y promueven el temor entre la población que favorecen acciones cada vez más represivas. Este es el caso, particularmente, de lo que sucede en México y Colombia como también en Perú y Honduras.
El Foro de Sao Paulo evaluará permanentemente las estrategias de la derecha para evitar que prosperen y seguirá trabajando por ampliar la fuerza de la izquierda.

Noveno. El XV Encuentro tuvo la oportunidad de analizar la situación general de América Latina y el Caribe e hizo hincapié en la reacción de la derecha y el imperialismo ante la crisis, a través de la militarización creciente en nuestro continente, la reactivación de la IV Flota norteamericana, la criminalización de la política y la protesta social y la pretensión de imponer Convenios o Tratados de Libre Comercio que garanticen sus intereses y el control sobre mercados y recursos naturales. Así mismo, analizó en más profundidad tres casos específicos: Honduras, Puerto Rico y Colombia. Denunciamos que el golpe de Estado en Honduras es una intentona de la derecha para utilizar los métodos más brutales y así detener el avance de las fuerzas progresistas y de izquierda. El XV Encuentro asumió el compromiso de continuar apoyando la lucha del pueblo hondureño y de exigir la liberación inmediata de todos los presos políticos, el cese a la represión, la restitución inmediata e incondicional del presidente Zelaya en su cargo, así como del orden constitucional y las libertades políticas. EL XV Encuentro se comprometió a promover la unidad de todas las fuerzas progresistas y de izquierda en Honduras, apoyar la resistencia popular y la opción que la izquierda adopte en las próximas elecciones.

Décimo. El colonialismo sigue existiendo, tanto a nivel político como cultural y es inaceptable. El XV Encuentro se compromete a fortalecer la lucha por la plena independencia de Puerto Rico y su reincorporación soberana a la comunidad de naciones latinoamericanas y caribeñas. Exigimos la liberación de los presos políticos puertorriqueños. Denunciamos igualmente la persistencia de pueblos americanos colonizados por países europeos: Aruba, Bonaire, Curazao, Martinica, Guadalupe y Guyana, los cuales tienen derecho a la autodeterminación.
Décimo primero. El XV Encuentro rechaza la reactivación de la IV Flota del comando sur de los Estados unidos y condena enérgicamente el acuerdo entre el Gobierno de Estados Unidos y el gobierno de Colombia que permite el uso de bases militares a lo largo de todo el territorio nacional. Este acuerdo atenta contra la soberanía colombiana y constituye una amenaza directa a Ecuador, Venezuela y Bolivia, afectando la estabilidad y la convivencia pacífica de toda la región latinoamericana y caribeña. Convocamos a los partidos y fuerzas populares, progresistas y de izquierda del continente y de todo el mundo a oponerse a la presencia militar norteamericana y a movilizarse contra la militarización. Nos sumamos a la convocatoria de actividades en contra de las bases militares, que ha sido impulsada por los Partidos integrantes del FSP, en especial en Argentina, Venezuela y Colombia. Denunciamos así mismo el aval que los gobiernos de México y Perú han dado a esta medida evidenciando su subordinación a los intereses de los Estados Unidos.

Décimo segundo. La izquierda está presente en el pueblo en lucha y organizado, así como en sus partidos, sus representantes parlamentarios y sus gobiernos municipales, estatales y nacionales. Su principal fuerza reside en la organización y la movilización popular, la cual se sigue expresando en toda América Latina de diversas formas, y en las que resalta el papel de los pueblos indígenas y originarios, como en Bolivia, y en la importante lucha liberada por los pueblos amazónicos del Perú.

La crisis exige a los gobiernos populares, progresistas y de izquierda a radicalizar su opción a favor de la acción del Estado, de la inversión pública, del mercado interno, del cambio del modelo económico primario exportador y bajo control de las corporaciones transnacionales, debiendo impulsar la integración regional. Se deberán dar acciones más decididas para defender la economía popular, combatir la pobreza y la desigualdad. Urge poner en práctica reformas profundas para cambiar las estructuras económicas y políticas imperantes, así como detener el deterioro ecológico.

Más democracia, más participación y más organización social son las herramientas del cambio. Hay que profundizar la participación popular en las luchas sociales y el rescate de la gestión del Estado. También tenemos la responsabilidad de forjar y consolidar en cada uno de nuestros países la unidad de las fuerzas políticas y sociales que están por el cambio por el progreso, la justicia y la democracia participativa

Décimo tercero. Los gobiernos y las fuerzas populares, progresistas y de izquierda de América Latina y el Caribe deben profundizar la integración regional, así como la creación de organismos supranacionales de gestión política, económica, social, cultural y ecológica. Debe avanzarse en la construcción de un bloque de naciones que pueda salir al mundo a negociar unitariamente su lugar. Para ello debemos impulsar de manera complementaria los distintos procesos de integración, fortaleciendo las herramientas integradoras que ya existen: UNASUR, MERCOSUR, CAN, ALBA, CARICOM, SICA etc., y así lograr nuestro objetivo estratégico de una verdadera Integración Latinoamericana y Caribeña.

Décimo cuarto. Es necesario que los partidos y gobiernos populares, progresistas y de izquierda de América Latina y el Caribe participen en el debate sobre el nuevo orden mundial que surgirá después de la crisis y que ya es materia de disputa. Se trata de proponer la creación de nuevas reglas y de nuevas instituciones mundiales que den al mundo, y en especial a los países en desarrollo, mayor capacidad para financiar sus economías y regular el comercio, la inversión y los flujos de capital.

Décimo quinto. El XV Encuentro del Foro de Sao Paulo aprobó un plan de trabajo para el próximo año que se propone:
1. Acompañar los gobiernos progresistas y de izquierda, organizando un debate e intercambio permanente de información entre los dirigentes de los partidos del FSP sobre la evolución de la situación en América Latina y de los gobiernos de la región creando para ello un Observatorio de Gobiernos de Izquierda y Progresistas.
2. Apoyar decididamente a la izquierda hondureña en los términos de la resolución particular aprobada por este XV Encuentro.
3. Contribuir a fortalecer los movimientos sociales, así como la plena articulación de éstos con los pueblos indígenas y originarios en América Latina y el Caribe.
4. Forjar y consolidar, en cada uno de nuestros países, la unidad de las fuerzas políticas y sociales que están por el cambio por el progreso, la justicia y la democracia participativa
5. Fortalecer los partidos y movimientos sociales y políticos con mecanismos de efectiva democracia interna, formación de generaciones de recambio y firmes vínculos con los movimientos y dirigentes populares, desarrollando con éstos un trato horizontal e integrador. Promover la unidad de las fuerzas políticas y sociales que están por el cambio como base para la victoria, impulsando la lucha de ideas contra el capitalismo y espacios de unidad de acción que favorezcan la unidad.
6. Apoyar los procesos electorales de 2009 y 2010, con dos objetivos: no ceder ningún gobierno a la derecha y ampliar los espacios de la izquierda. Para ello, se ha resuelto enviar observadores electorales.
7. Poner especial atención a la situación de México, Colombia y Perú realizando a lo largo de 2010 una reunión del Grupo de Trabajo en cada uno de estos países, con el objetivo de debatir las respectivas situaciones nacionales y lo que puede hacer el Foro de São Paulo en términos de apoyo efectivo;
8. Convocar a un gran Encuentro Continental de los Movimientos Sociales y Partidos Políticos populares, progresistas y de Izquierda, integrantes del Foro y de las organizaciones de la sociedad civil, por la paz y contra la presencia militar imperialista en la región, especialmente la instalación de las bases militares de los Estados Unidos en Colombia y la IV Flota.
9. Celebrar un evento cumbre, de carácter continental, donde el tema central y único sea el problema del colonialismo en Nuestra América.
10. Articular la acción del Foro de São Paulo con la lucha de los inmigrantes latinoamericanos y caribeños en los Estados Unidos;
11. Reformar la Secretaría Ejecutiva del Foro de São Paulo, para que en adelante se componga de una Secretaría Ejecutiva indicada por el GT, y por tres secretarías adjuntas indicadas por las secretarías regionales (Cono Sur, Andino Amazónica, Mesoamericana y Caribeña), de acuerdo al resolutivo específico.
Décimo sexto. Durante el XV Encuentro se realizó por primera vez, de manera paralela, el Primer Encuentro de la Juventud del FSP. Se considera que esto es un avance de gran importancia para la izquierda latinoamericana y reconoce el empeño, la visión y la capacidad política de los jóvenes del FSP para que este Primer Encuentro pudiera hacerse realidad. Apoyamos las resoluciones tomadas en este Primer Encuentro Juvenil y consideramos que estas acciones deben ser permanentes y prestárseles la mayor atención y todo el apoyo necesario.
El XV Encuentro hace suyos los resolutivos de los encuentros de autoridades nacionales; parlamentarios; escuelas y fundaciones; movimientos sociales, pueblos originarios y afro descendientes; cultura; y mujeres. El Grupo de Trabajo hará lo necesario para promover y llevar a la práctica las resoluciones adoptadas
Décimo séptimo. El XV Encuentro del Foro de São Paulo rindió homenaje al compañero Armando Chavarría, dirigente histórico del PRD mexicano, cobardemente asesinado en el día de la inauguración del Foro. De igual manera, hizo un sentido reconocimiento a Juan Bosch y Marco Benedetti, que simbolizan el coraje y alma de la lucha por una nueva América.
Décimo octavo. Convocamos al XVI Encuentro del Foro de São Paulo que se llevará a cabo en Buenos Aires, Argentina, en agosto de 2010, coincidiendo con la celebración de nuestro XX aniversario.
Décimo noveno. Los delegados asistentes al XV Encuentro del FSP hicieron patente su reconocimiento al esfuerzo desplegado por los partidos anfitriones, el PT y el PRD de México, para la realización de este importante y exitoso encuentro de la izquierda latinoamericana.
Ciudad de México, D.F., a 23 de agosto de 2009.

Parece a fala do barão de Mauá contra o TJSP

Peço a todos que divulguem este protesto para os cúmplices do golpe que se aproxima.

O GOLPE FINAL ESTÁ CHEGANDO
“Parece que estamos em estado anárquico. O Presidente do Congresso não mais merece respeito [na verdade nunca mereceu]. O Senado e a Câmara dos Deputados desmoralizados [covil de bandidos]. O Poder Executivo [reduto das gangs dos quarentas] comprometido em escândalos, defendendo criminosos, apoiando o terrorismo e terroristas, usando de todos os meios para manter a quadrilha no poder. E o Poder Judiciário [representante da falência da Justiça no país], claudicante, comandado pelo Executivo e pronto para receber um intruso, sem saber jurídico e sem conduta ilibada, voto a mais do Executivo.” (Torres de Melo). Os destaques em negrito não fazem parte da frase do autor do texto aqui reproduzido.

Dois momentos – transcrições de discursos conforme vídeos distribuídos na internet – do maior estelionatário da política, o mais sórdido líder popular que já apareceu nas páginas dos noticiários da política prostituída; é este o “cara do Obama” – o presidente americano praticante explícito do discurso político-prostituído que lava as mãos diante do projeto de poder perpétuo do petismo – um líder mundial que esqueceu a moralidade nos atos do poder público como fundamento de qualquer governo sério, para fazer a política suja do agrado relativista, que coloca em primeiro plano a hipocrisia e a leviandade da prostituição da política para atingir seus fins da geopolítica do pragmatismo calhorda:
Antes de permitir a transformação do poder público em um covil de picaretas declarou o Retirante Pinóquio: ”Olha, lamentavelmente, no Brasil, o voto não é ideológico, lamentavelmente as pessoas não votam, não votam partidariamente, e lamentavelmente você tem uma parte da sociedade, pelo alto grau de empobrecimento, ela é conduzida a pensar pelo estômago, e não pela cabeça. É por isso que se distribui tanta cesta básica, é por isso que se distribui tantos litros de leite, porque isso, na verdade, é uma peça de troca, em época de eleição, e assim você despolitiza o processo eleitoral, você trata o povo mais pobre do que Cabral tratou os índios quando chegou no Brasil, tentando distribuir bijuterias, espelhos para ganhar os índios, “ele” distribui alimentos. Você tem como lógica manter a política de dominação que é secular no Brasil”
Agora como candidato a ditador líder do projeto de poder perpétuo do petismo: “Alguns dizem assim: o “bolsa família” é uma esmola. O ‘bolsa família” é assistencialismo. O “bolsa família” é demagogia. E vai por aí afora. Tem gente tão imbecil, tão ignorante, que ainda fala, o “bolsa família” é para deixar as pessoas preguiçosas, porque quem tem essa bolsa família não quer mais trabalhar”.
É esse o político que está caminhando para tentar colocar na presidência do país a terrorista Estela ou outro cúmplice da esquizofrenia do seu projeto de poder ou, na falta de um cúmplice, tentar permanecer em outro mandato.
Não poderia haver algo mais contundente e revelador das intenções do presidente do que trocar, recentemente, o nome do país pelo “partido”. Um ato falho – das dezenas que já cometeu durante sua gestão – mas que revela sua absoluta confiança de que “está tudo dominado”.
Diante de tanta canalhice política continuamos a perguntar: como a sociedade dos esclarecidos pode continuar em silêncio – por omissão, cumplicidade ou covardia – diante de demonstrações tão grotescas e evidentes do apodrecimento moral de um líder que mentiu e enganou a todos, por tanto tempo, para chegar ao poder? Como as Forças Armadas continuam aceitando sem um gesto de resistência – nem que seja política – por parte de seus oficiais da ativa que o país continue no caminho do socialismo apodrecido e genocida?
Como um irresponsável que declara que a Venezuela representa uma pura democracia, que tem sido o fiador do amordaçamento da justiça dos Tribunais Superiores diante de dezenas de escândalos envolvendo seu desgoverno, que o Brasil tem o melhor sistema de saúde do mundo, e que flagrantemente esconde um ex-presidente na sua representação comercial – pelo fechamento da sua embaixada – em Honduras acendendo o estopim de uma convulsão social naquele país, agredindo convenções internacionais com a cumplicidade de outro ditador, entre tantos outros absurdos já cometidos, pode continuar recebendo o silêncio da sociedade dos esclarecidos no nosso país e o aval de líderes mundiais para suas extravagâncias esquizofrênicas para dar vazão aos seus delírios de poder permanente e ditatorial?
O fato do presidente brasileiro não reconhecer que o presidente de Honduras que foi deposto agrediu vergonhosamente as leis do país levando o poder judiciário junto com o congresso eleito pelo povo a não permitirem uma nova Venezuela em Honduras, não surpreende.
No nosso país a “inteligência” do Retirante Pinóquio achou uma solução melhor e menos arriscada para seu projeto de poder perpétuo: o suborno dos esclarecidos e a tomada do poder público por gangs organizadas.
Será que uma pandemia da canalhice e da traição à nossa pátria, já tomou conta daqueles que podem fazer a diferença e organizar uma reação coletiva para não permitir que um prostituto da política faça de nossos filhos e suas famílias candidatos a uma cova coletiva ou reféns permanentes de um poder público bandoleiro, cujas maiores competências são promover de forma incontrolável a imoralidade nas relações públicas e privadas, o assistencialismo comprador de votos, a extorsão da sociedade pela cobrança de impostos para sustentar um Estado marginal, e fazer parte de um projeto de poder que visa colocar a América Latina sob o comando de ditadores?
Será que o prêmio para tantos crimes de lesa pátria, tanta corrupção, tanto corporativismo sórdido e tanta prevaricação, será a continuidade da patifaria do petismo nas mãos do mesmo retirante Pinóquio ou de um seu cúmplice do seu projeto de poder perpétuo?
Não precisarmos enfeitar a dura verdade com sutilezas covardes: ESTAMOS VIVENDO NA MAIS ABSOLUTA ANARQUIA JURÍDICA E COMANDADOS POR UM ESTADO SOB O CONTROLE DE QUADRILHAS ORGANIZADAS, que já foram oficialmente denunciadas. O que aconteceu? – Nada, absolutamente nada, como já era previsto.
Os trezentos picaretas denunciados no passado pelo maior picareta da sórdida política que impera no país, não eram somente trezentos. Agora são quase todos os militantes do petismo e seus cúmplices que tomaram de assalto o poder público que virou o paraíso daqueles que concordam com a falência dos valores morais como fundamento de sobrevivência pessoal e profissional.
Os líderes dos países mais desenvolvidos se omitem com a preocupação de que o mundo efetivamente não reconheça a fraude que representa o desgoverno do PT liderado pelo Retirante Pinóquio: estão praticando uma criminosa cumplicidade com a transformação do nosso país em um Estado de Direito comunista corrupto e paraíso do ilícito – pragmatismo genocida.
É claro - e o bom senso determina – que devemos evitar uma convulsão social pelo reconhecimento coletivo que estamos sendo desgovernados pelo covil de bandidos em que se transformaram os podres poderes da República.
Mas, entre tomar esta atitude, para evitar sangue de inocentes escorrendo pelo asfalto, e deixar impunemente as quadrilhas organizadas continuar no poder após as próximas eleições presidenciais, estaremos diante de uma absurda traição aos nossos próprios filhos e suas famílias que irão viver em um Estado estalinista de fazer inveja aos piores ditadores que já apareceram na história da civilização ocidental.
Os hipócritas da geopolítica do pragmatismo, interessada em controlar nosso futuro e nossas riquezas, assistem o esmagamento de nossas instituições fazendo discursos hipócritas e levianos - de olho na xepa da destruição do nosso país – e o Brasil se definindo como um Estado Bandido, um verdadeiro covil de gângsteres da política prostituída infiltrados no poder público.
Estamos próximos de sermos controlados por um regime totalitário à semelhança do stalinismo que ceifou a vida de milhões de cidadãos vítimas do socialismo genocida.
A impunidade que premia a corrupção e o corporativismo mais sórdido que fortalece a comunhão dos canalhas, e a prevaricação, que fazem do poder público um instrumento da prática do ilícito, da imoralidade, e da busca da fortuna a qualquer preço, está entregando o país nas mãos de um homem que se mostrou a pior fraude já registrada da nossa história política. A sordidez dos seus atos não tem mais qualquer controle da sociedade.
Os telhados de cristal dos corruptos que infestaram o poder público durante a FRAUDE da abertura democrática abrigam milhares de patifes esclarecidos que aceitaram o suborno em troca de entregar o futuro de seus próprios filhos, e de suas famílias, nas mãos dos canalhas da política prostituída.
O presidente da República, com o aval de um Poder Judiciário que não merece ter mais esse nome, com a covardia e a omissão de oficiais das Forças Armadas, e com a transformação do Poder Legislativo em um escritório das gangs que tomaram conta do poder público, já faz o que bem entende, sem qualquer constrangimento.
A máscara que escondia as verdadeiras intenções do PT e seus militantes meliantes já caiu, e hoje temos as provas contundentes do projeto de poder que esse partido tem para o país: a construção de uma sociedade comandada por um Estado totalitário e bandoleiro, que está abrigando quadrilhas organizadas para garantir a continuidade no poder dos canalhas da prostituição da política.
Para sermos perseguidos, presos, torturados ou simplesmente assassinados, basta que isso seja relevante para os canalhas que estão no poder, incólumes e protegidos pelos togados que trocaram seus compromissos com a Justiça por salários absurdos, sórdidas relações corporativistas, mordomias e sinecuras, entregando o controle do país nas mãos dos canalhas comunistas que se organizaram no submundo do comuno sindicalismo que tomou o poder com o maior estelionato eleitoral de nossa apodrecida história.
Os últimos atos do mais sórdido dos políticos, fechando acordo de proteção de um Poder Legislativo absolutamente corrupto, colocando um militante do petismo dentro do STF, seu apoio ao refúgio ilegal de um presidente deposto de outro país em uma embaixada que foi fechada por ele mesmo, transformando-se em um escritório de representação comercial que virou palanque político de um candidato a ditador, demonstra sua disposição de se tornar o dono do Brasil por muitos e muitos anos com o apoio dos outros ditadores que estão transformando a America Latina em uma região dominada pelo socialismo genocida.
Quem serão os culpados pelo terrível futuro que espera nossos filhos e suas famílias, que serão obrigados a se curvarem diante de um Estado controlado por bandidos para não serem perfilados na beira de uma cova coletiva socialista?
Serão os patifes esclarecidos que sabem claramente o que está acontecendo no nosso país, mas estão escolhendo entrar para a sociedade dos canalhas da burguesia petista que está conseguindo aplicar no nosso país todos os preceitos do decálogo leninista.
ATENÇÃO, acadêmicos, juízes, artistas, apresentadores de televisão, jornalistas, professores, estudantes universitários, classe média estúpida, oficiais das Forças Armadas, membros das Igrejas, empresários corruptos, organizações civis cúmplices do petismo! NA HORA DE CHORAR PELA MORTE DOS SEUS FILHOS OU DE SEUS AMIGOS QUANDO CAIREM NA COVA COLETIVA DO SOCIALISMO GENOCIDA, OU LAMENTAR PELOS SEUS ENCLAUSURAMENTOS NA IMORALIDADE DAS RELAÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS, LEMBREM-SE: VOCÊS FORAM OS CULPADOS PELO NOSSO PAÍS ESTAR NA DIREÇÃO DE PERMITIR A CONTINUIDADE DO DESGOVERNO PETISTA APÓS AS ELEIÇÕES DE 2010 FORMALIZANDO O CONTROLE DO PAÍS POR UM ESTADO-BANDIDO.
Precisamos lembrar aos estudantes universitários, os antigos “caras-pintadas”, cooptados pelos mais diversos tipos de subornos assistencialistas do desgoverno petista: não existe prosperidade ou liberdade associada a qualquer regime socialista na história da civilização. O que existe são histórias de genocídios coletivos e destruição do futuro de milhões de cidadãos que foram transformados em escravos de ditadores.
O Retirante Pinóquio será o líder da desgraça que se aproxima após as eleições de 2010 e, todos vocês, seus cúmplices.
O SOCIALISMO PETISTA NÃO É UM PROJETO QUE VISE O BEM ESTAR SOCIAL E O PROGRESSO DO PAÍS.
É simplesmente um instrumento de luta de classes que está transformando o país refém da mais sórdida burguesia da civilização ocidental.

Geraldo Almendra
28/setembro/2009

(UMA DAS PRÓXIMAS VÍTIMAS DOS FACÍNORAS E TERRORISTAS DO PETISMO – É SOMENTE UMA QUESTÃO DE TEMPO E OPORTUNIDADE)
PS: Peço aos meus amigos que guardem este artigo para que no futuro ele seja lido pelas famílias das vítimas do projeto de poder do maior canalha da política que já apareceu nas páginas de nossa história.

ofensa às prerrogativas dos advogados - D'Urso, admita a fraude e usurpação!


O PROJETO DE LEI QUE CRIMINALIZA A OFENSA ÀS PRERROGATIVAS DOS ADVOGADOS, DE AUTORIA DO ADVOGADO LAERTES DE MACEDO TORRENS e USURPADO PELO ATUAL MANDATÁRIO DA SECCIONAL PAULISTA DA OAB, LUIZ FLÁVIO BORGES D'URSO, na verdade defende os interesses e direitos do cliente, cidadão comum que -- tanto quanto o advogado -- está sujeito ao "cala a boca" ou a responder por desacato.
A maciça maioria dos advogados, recebe o cala-boca e não tem coragem de enfrentar a situação, porque sabe que ficará sozinho, ou, no máximo, terá um pífio apoio de algum colega da comissão de prerrogativas de sua subseção porque na seccional paulista essa comissão simplesmente não existe. Eu sei disso na minha própria pele e vou contar alguns percalços aqui no blog, com nome e sobrenome e se os interessados e citados se doerem, O JUDICIÁRIO ESTÁ AÍ PARA TODOS, INCLUSIVE PARA APRESENTAÇÃO DE PROVAS.
Só faço antecipadamente um aviso aos descontentes: NÃO ADIANTA FAZER COMO OS CINCO PROMOTORES DE JUSTIÇA (?) DE COTIA: ADALBERTO DENSER DE SÁ JÚNIOR, ALEXANDRE DEMÉTRIUS PEREIRA, ANA MARIA AIELLO DE OLIVEIRA, FERNANDA BEATRIZ GIL DA SILVA LOPES e MARIA GORETE PIMENTEL MARQUES, que tentaram me processar no Juizado Especial Cível, com uma ação que pede indenização por danos morais mas que sabiam, devia ser distribuída no Juízo comum.
Mais tarde tiveram que engolir a redistribuição da ação que movem contra mim cuja inicial tem NADA MENOS QUE CENTO E CINQUENTA LAUDAS E AS PROVAS QUE ELES MESMOS APRESENTAM, DE QUE ESTÃO ME PERSEGUINDO E MONITORANDO ATÉ NA INTERNETE, SOMAM MAIS DE VINTE E QUATRO VOLUMES!!!!!!!!!!

O Direito é maravilhoso por isso mesmo: agora, eu que era a vidraça, virei pedra e também se abre para mim o direito de apresentação de provas... PRINCIPALMENTE A PERICIAL. E agora? Posso ouvir testemunhas e também apresentar reconvenção... Hum... acredito que a comissão de prerrogativas da Seccional Paulista não saiba o andamento disso. Será???? Os estagiários da comissão de prerrogativas só fazem uma pesquisa superficial e eletrônica. E se sabe por muitas bocas que quem manda ali é a secretária... se você conquistar sua simpatia...
Agora, se você tem a mania boba de ser independente e de prezar o respeito que dedica, sem prescindir de igual trato, esqueça: secretina tem cacife do chefe para te bater o telefone na cara e pasme: pode até te representar ao presidente da comissão! e tem até os bajuladores que, sem prova nenhuma, ainda mandam intimação para você se manifestar sobre "puxões-de-orelha".
Ora, ora, bão se catar, macacada!
Como advogada, tenho independência e não admito subserviência.
Sandra Paulino

BRASIL VAI PERDER A EMBAIXADA EM TEGUCIGALPA...

É o máximo! será que esse pessoal PTralha pensa que gente acredita em tudo que eles mandam a rede lobo publicar. Ainda bem que temos a impresna "alternativa"...
27SET09 - OI GALERA, são 15:20 aqui em Tegucigalpa e eu tenho mais umas bombas p/ soltar em vcs... Hoje cedo eu liguei p/ a sede hondurenhada UnoAmérica - La Unión de Organizaciones Democráticas de América, e conversei com uma secretária sobre a situação no país. Ela me confirmou que a ONG enviou uma carta ao embaixador dosEUA em Honduras, Hugo Llorens, advertindo-os de que Zelaya decidiu fechar a base aérea de Soto Cano e arrendar as instalações p/ uma empresa aérea comercial ligada ao narcotráfico, à Mando de Hugo Chaves. A base, dirigida pelo coronel Richard A. Juergens, é uma base mista da USAF e da Força Aérea Hondurenha e seria usada comobase de operações p/ escoar a cocaína boliviana de Evo Morales p/a Europa, camuflada pelas exportações de banana. Na hora do almoço eu liguei p/ a base de Soto Cano e consegui conversar por 15 minutos com o sargento Rodney J. McKinley, que estava de serviço e eleacabou deixando escapar que Chaves é o ''cara'' por trás da transformação de Honduras em entreposto do tráfico boliviano, mas ele não admitiu, óbviamente, que houve participação dos militares norte americanos na derrubada de Zelaya. É ÓBVIO E ULULANTE que o Pentágono agiu rapidamente e através do SouthCom (Comando do Sul dos Estados Unidos), foi articulada a rápida ação militar que depôs Zelaya, liderada pelo General hondurenho Romeo Vasquez. Agora é que vem a BOMBA: As declarações de apoio de Barack Obama à Zelaya, não tem respaldo na própria equipe de governo dele e entraram em contradição c/ as declarações de Hillary Clinton que acusa Zelaya de ser irresponsável, por estar provocando o caos no próprio país. Como eu já disse antes, há fortes rumores de que o apoio de Obama ao retorno de Zelaya é parte de uma queda de braço com o Pentágono, que começou com o veto ao financiamento p/ compra de bombardeiros Stealth, solicitados pela USAF, como eu já disse em outro comentário... A questão que eu deixo p/ vcs analisarem é essa: Com a queda na popularidade, sem apoio do alto escalão do Pentágono e sendo acusado de ser socialista por estar se aconchegando demais com a corrupta esquerda latina, Obama vai sustentar o apoio à Zelaya até quando????

Agora, as notícias do Portal do lobo
28/09/09 - 09h42 - Atualizado em 28/09/09 - 10h39 - Governo interino de Honduras fecha rádio local - Decreto havia proibido protestos e alertado sobre suspensão da mídia.Governo interino diz que Brasil pode perder a Embaixada em Tegucigalpa.
Do G1, com agências internacionais *

Após ter decretado a suspensão dos direitos constitucionais e alertado sobre a suspensão de meios de comunicação, o governo interino de Honduras mandou fechar uma rádio local nesta segunda-feira (28).

Segundo a agência de notícias France Presse, cerca de 20 policiais tomaram o edifício da Rádio Globo de Tegucigalpa às 5h30 horário local (8h30 de Brasília) e tiraram o sinal do ar, informou o jornalista Carlos Paz, que trabalha na emissora. Segundo o governo interino, a rádio defendia o presidente deposto Manuel Zelaya e divulgava suas convocações para protestos.

O governo interino liderado por Roberto Micheletti decretou neste domingo (27) a suspensão de direitos constitucionais públicos, como a liberdade de circulação e expressão, de protestos, e autorizou a suspensão de grupos de mídia que, na visão do governo "provoquem distúrbios pelo país". O anúncio foi feito através de uma cadeia nacional de rádio e TV.

O ministro do Interior do governo de facto, Oscar Matute, disse que a liberdade de expressão pode ser restringida para preservar a segurança nacional. "Não se trata de coibir a liberdade de expressão, mas sim de que, se há um meio que está incitando ao ódio e à violência, é um dever impor-lhe um basta", disse em entrevista telefônica à agência de notícias Reuters.

A rádio Globo e a TV Cholusat Sur, únicos veículos que não apoiaram o golpe, foram tirados do ar em várias ocasiões nos últimos três meses.

Entenda a crise política em Honduras

Também neste domingo, o governo interino anunciou que o Brasil poderá perder a Embaixada no país se em 10 dias não decidir o destino do presidente deposto, Manuel Zelaya, que está no prédio brasileiro sitiado desde segunda-feira (21).

Garantias constitucionais

De acordo com a agência de notícias Efe, que informa ter tido acesso ao documento oficial, o governo interino suspendeu por 45 dias as garantias constitucionais. A France Presse, porém, diz que as medidas teriam validade de 45 dias depois de aprovação legislativa.

O decreto autoriza o governo a fechar meios de comunicação e a dissolver reuniões não-autorizadas, e permite proibir protestos públicos.

O ministro do Interior de Honduras, Oscar Matute, afirmou que os veículos de imprensa que incitarem a violência podem sofrer as regulações do decreto. A estatal Hondutel irá vigiar os meios de comunicação.


'Na moda' na época da guerra fria, golpes de Estado se tornaram menos frequentes
Repórter da TV Globo relata clima acirrado neste domingo em Honduras
Lula diz que não aceita 'ultimato de governo golpista' hondurenho
Segundo o decreto, a polícia e as Forças Armadas estão autorizadas a fechar estações de rádio ou televisão "que não ajustarem sua programação às disposições atuais."

O decreto estabelece que autoridades policiais ou militares podem deter pessoas que desobedeçam o toque de recolher ou que sejam apontadas como suspeitas de provocar distúrbios.

Embaixada ameaçada
O governo interino de Honduras anunciou que o Brasil poderá perder a Embaixada em Tegucigalpa, se em 10 dias não decidir o destino de Zelaya. O governo brasileiro deverá decidir se o presidente deposto ganhará asilo político no Brasil ou se irá entregá-lo às autoridades hondurenhas.

O governo hondurenho disse que não tem intenção de invadir a Embaixada para prender Zelaya.

Leia mais notícias sobre a crise

Cerco
O presidente deposto voltou na última segunda-feira a Tegucigalpa, refugiando-se na Embaixada brasileira. Desde então, a sede da diplomacia brasileira está cercada por militares. O Conselho de Segurança da ONU condenou o cerco.
Eleito em 2006, Zelaya foi deposto no dia 28 de junho por um golpe militar. Os militares argumentam que Zelaya queria incluir nas cláusulas das eleições, que ocorrem em novembro deste ano, a possibilidade de mudar a Constituição do país para poder se reeleger.

Entenda o que é um golpe militar e veja os últimos

O Itamaraty informou que ainda não foi notificado da ameaça do governo de Honduras de tirar o status diplomático do Brasil.

Ainda de acordo com o Ministério das Relações Exteriores, o ministro Celso Amorim já havia falado sobre o assunto na sexta-feira (25), durante discurso no Conselho de Segurança da ONU.

Veja abaixo trechos do discurso de Amorim retirados do site do Itamaraty: "O regime também mudou o tratamento formal concedido à Embaixada, o qual parece implicar que esta teria deixado de gozar do status diplomático. Além de declarações públicas de igual teor, o Governo de facto enviou uma comunicação diretamente ao Ministério das Relações Exteriores na qual se refere à Embaixada como 'uma das instalações que o Governo brasileiro ainda mantém em Tegucigalpa'. Tudo isso parece um prelúdio para outras ações. Num comunicado público, tentam até negar a responsabilidade pela segurança do Presidente Zelaya e por danos a propriedades no bairro em que se encontra a Embaixada. Tais atos violam totalmente a Convenção de Viena e, mais imediatamente, a recente decisão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos pela qual o governo de facto de Honduras não poderá ameaçar a segurança do Presidente Zelaya e de todos aqueles abrigados na Embaixada do Brasil”.

LULA: LEVATTE A ESA MULLA!

Milhares de manifestantes hondurenhos pró Michelletti nas ruas de Tegucigalpa gritavam um refrão: "LULA! LULA! LLEVATE A ESA MULA!" (Lula! Lula! Leve consigo esta Mula!) A MULA nesse casp é a de lá (não confundir os quadrúpedes), o ex-presidente Manuel Zelaya, defenestrado da presidência pelo Congresso e pelo Judiciário hondurenhos ao tentar repetir, no país, o "GOLPE CONSTITUCIONAL" aplicado por seus comparsas Hugo Chávez e Evo Morales em suas republiquetas.
Pelo visto, o nosso asinino presiMente não contava com uma reação tão contundente do povo de Honduras ao seu apoio a Zelaya e à facilitação dada pelo governo brasileiro à sua entrada - juntamente com um bando de gente - na embaixada do Brasil em Tegucigalpa.
Por outro lado, se nota a 'ação de quadrilha internacional' dos membros de Foro de São Paulo, que tentam limpar a barra de Lula perante a comunidade mundial que o endeusa, principalmente na Europa e, agora, também pelo socialistóide americano Obama (fato que favorece a esquerda mundial).
Chávez assume a responsabilidade pela "estadia" de Zelaya na embaixada do Brasil... Afinal, ele não se importa mesmo , já que sua reputação está mais suja que pau de galinheiro!
Vemos, pois, com clareza, agora, que o 'golpe constitucional' é uma prática decidida e planejada pelo Foro de São Paulo e deverá se repetir nos países onde o estado ainda não está totalmente na mão dos comunistas (Colômbia, Peru, México, Brasil, Panamá, etc.)

Vejam esses três vídeos em

http://www.youtube.com/watch?v=IIps2P6wqaY
http://www.youtube.com/watch?v=_9cUGpUZYUo&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=WFncbmiPNHg&feature=related

E tire suas conclusões em face do que a nossa "mídia subserviente à esquerda" propala. Acredita quem quer, pois a Internet, hoje, informa tudo quse em tempo real.
Veja também o rápido clipe anexo (abaixo).
Tudo que já foi dito a respeito da legalidade em Honduras ,está resumido neste texto que me foi enviado pelo Péricles e escrito pelo Gobbo(José Bobbo Ferreira) da minha turma da AMAN. Excelente relato que repasso a todos que ainda tem alguma dúvida. Resta dar conhecimento aos apresentadores e comentaristas de TV que são os maiores culpados pela desinformação que perdura. Quanto ao desgoverno lulla, nada a esperar: continuam achando que uma mentira repetida acaba se tornando verdade. Irão assim até as últimas consequências. Espero que não montem uma Fôrça Tarefa da URSAL para invadir Honduras................e cabe uma pergunta : qual será a atitude dos chefes militares? Edgard LC França
Honduras: AS APARENCIAS OFUSCANDO A VERDADE:

Neste texto, enviado pelo Gobbo (AMAN/MatBel/1962) uma visão geral do que aconteceu em Honduras. Algumas observações que não deixam dúvidas:
1. A influência de Chávez;
2. O envolvimento de Lula através do circuito direto Chávez-Marco Aurélio Garcia;
3. O aperta/afrouxa dos USA sentindo a mão de Chávez nos bastidores. Apertando para não dar a Chávez o controle do processo, mas afrouxando para não deixar Zelaya voltar;
4. O Brasil foi envolvido por Chávez para desgastar a sua liderança emergente na AL o que já aparece com o isolamento na ONU e na AG/ONU que trataram só do caso da embaixada do Brasil (Direito internacional), mas não entraram no mérito do caso Zelaya. A irritação de Celso Amorim e as críticas de Lula à ONU e à AG/ONU acusam este isolamento.
Péricles

AS APARENCIAS OFUSCANDO A VERDADE
1. INTRODUÇÃO
A imagem de militares invadindo a casa de um presidente legitimamente eleito, sua detenção e imediata expulsão do país, reveste-se de todos os ingredientes de algo que, hoje em dia, causa forte repugnância na comunidade internacional. Difícil de explicar, quase impossível de justificar.
O quadro de um golpe de Estado patrocinado por militares está tão bem pintado, e reflete tão claramente, que se torna desnecessário, para muitos, fazer um esforço em ver a cena de outro ponto de vista, o que ofusca a verdade. Em nome dela, e por acreditar que realmente nem sempre os fatos falam por si mesmos, vou me atrever a mostrar esta mesma imagem desde outro ângulo.
Definitivamente, o que aconteceu em Honduras (e segue acontecendo) não guarda relação com o que se noticia na imprensa internacional. Se realmente conceitos tais como autodeterminação dos povos e soberania têm algum significado - e estão acima do pragmatismo que rege a relação entre os Estados - talvez valesse a pena o esforço em enxergar a cena descrita no primeiro parágrafo sob a ótica dos demais poderes do Estado de Honduras, de sua Constituição e, principalmente, da grande maioria do seu povo.
2. O GIRO À ESQUERDA DE ZELAYA
Eleito pelo tradicional Partido Liberal de Honduras, Manuel Zelaya assumiu a presidência em janeiro de 2006. O primeiro ano e meio de governo foi marcado por algumas medidas louváveis na esfera social e pela aproximação do mandatário com as classes menos favorecidas. Mesmo nesse período, já se falava da grande desorganização administrativa e do altíssimo grau de corrupção do seu governo, o que redundou em uma completa desestruturação das contas públicas.
A crise mundial de alimentos e o elevado preço alcançado pelo barril de petróleo colocaram o governo de Zelaya à beira de um colapso. Sua tábua de salvação não tardou a surgir. Para um país que tem 80% de sua matriz energética baseada no petróleo, a generosa oferta que Chávez lhe fazia, por meio da PETROCARIBE, era mesmo tentadora: petróleo garantido, pagamento de 50% no ato da compra e os outros 50% num prazo de 20 anos.
Da PETROCARIBE até a adesão à ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos da América) o caminho foi curto. Em 25 de agosto de 2008, pode-se dizer que começou uma segunda fase do governo Zelaya. Após forte resistência do Congresso Nacional, resistência essa vencida pela compra de consciências com petrodólares venezuelanos, Honduras tornou-se o mais novo membro do organismo de expansão do chamado “Socialismo do Século XXI”.
A partir de então, Chávez passou sua conta e ocorreu o que a imprensa denominou de “giro à esquerda”. Rompendo com o programa partidário que o elegeu, e para surpresa de muitos, Zelaya proclamou-se de esquerda. Adotou um discurso ofensivo contra o “imperialismo usurpador norte-americano” , trazendo pânico aos mais de 800.000 mil hondurenhos que vivem nos Estados Unidos e as suas famílias, que dependem das remessas para sobreviverem. Atacou sistematicamente o que chama de grupos de poder, numa referência às famílias que historicamente dominaram a política de Honduras, sem se importar com o fato de ele mesmo ser aparentado de uma delas.
3. OS PRIMEIROS PASSOS CONTRA UMA CONSTITUIÇÃO BLINDADA
No início de 2009, Zelaya lançou a idéia de um plebiscito, a fim de promover reformas na Constituição e perpetuar-se no poder, seguindo a mesma estratégia vitoriosa no Equador e na Bolívia, constante da cartilha de Chávez. Esse plebiscito passou a ser conhecido como “quarta urna”, numa referência às três outras já existentes nas eleições ordinárias, onde o povo vota em prefeitos, deputados e no presidente da República.
Para atingir seus objetivos, Zelaya implementou ações importantes. Em janeiro, visando a conquistar definitivamente a classe trabalhadora, numa medida claramente populista, que ignorou o delicado estado das finanças do país, majorou o salário mínimo em 60%.
Em fevereiro, efetuou mudanças em seu Gabinete. A mais importante delas consistiu na nomeação do Chanceler Edmundo Orellana Mercado, respeitado jurista e amigo de seu círculo mais íntimo, para a pasta da Defesa e sua substituição na chancelaria pela Sra. Patricia Rodas Baca, conhecida por suas posições de extrema esquerda e admiradora declarada de Chávez.
No âmbito das Forças Armadas, tomou uma medida inusitada ao ordenar a substituição do Comandante do Exército, General José Rosa Doblado Padilla, a pretexto de nomeá-lo embaixador em Israel. Sem margem a dúvidas, o General Doblado era a liderança militar de maior prestígio, pessoal e profissional, junto à tropa e junto à oficialidade, conhecido por sua retidão de caráter e apego às instituições. Certamente um obstáculo para as pretensões continuistas do presidente. Ainda hoje, o general aguarda em casa as providências para a sua acreditação junto ao governo israelense.
Logo Zelaya percebeu que a cartilha de Chávez não trazia soluções muito claras para um presidente desgastado, já nos seus últimos meses de mandato, imerso em denúncias de corrupção e de associação com o tráfico de drogas e com a influência diminuída pela definição dos dois principais candidatos às eleições presidenciais de novembro, Pepe Lobo e Elvin Santos, respectivamente candidatos pelo Partido Nacional e Liberal.
Também a cartilha chavista não apontava caminho para um impasse constitucional, característico das leis de Honduras, que ainda não havia se apresentado nas experiências anteriores. A Carta Magna de Honduras pode ser alterada em 97% dos seus 375 artigos pelo próprio Congresso Nacional.
Artigo 373: “A reforma da Constituição poderá decretar-se pelo Congresso Nacional, em sessão ordinária, com dois terços dos votos da totalidade dos seus membros”.
Existem, porém, algumas poucas cláusulas pétreas que não podem ser objetos nem mesmo de discussão, constituindo delito de traição à pátria o simples fato de propor sua revisão. A reeleição é uma delas. A Constituição de Honduras chega a ser redundante ao abordar o tema.
Senão vejamos:
Artigo 374: “Não poderão ser reformados, em nenhum caso, o artigo anterior, os artigos constitucionais que se referem à forma de governo, território nacional,período presidencial, proibição para ser novamente presidente da república...” (grifo do autor)
Artigo 4: ...A alternabilidade no exercício da Presidência da República é obrigatória. A infração desta norma constitui delito de traição à Pátria. (grifo do autor)
Artigo 239: “O cidadão que tenha desempenhado a titularidade do Poder Executivo não poderá ser Presidente ou Designado. Aquele que ofender esta disposição ou propuser sua reforma, bem como aqueles que a apóiem direta ou indiretamente, terão cessado de imediato o desempenho de seus respectivos cargos e ficarão inabilitados por dez anos para o exercício de toda função pública”. (grifo do autor)
Aceito que tais artigos possam parecer pouco usual. Mas assim está definido por decisão soberana do povo hondurenho. Juridicamente, não há espaço para a convocação de uma Assembléia Constituinte. No caso de Honduras, a Constituição encontra-se blindada contra pretensões de continuismo, justamente como reação aos inumeráveis golpes de Estado e ditaduras pelas quais atravessou o país.

4. O DESENROLAR DA CRISE INSTITUCIONAL
Apesar dos cadeados constitucionais já assinalados, no dia 23 de março, em conselho de ministros, o presidente Zelaya emitiu o decreto Executivo PCM-005-2009, mediante o qual convocava uma consulta popular, cujo fim último era o estabelecimento de uma Assembléia Nacional Constituinte para formular uma nova Carta Magna, o que permitiria a eliminação de cláusulas pétreas.
Houve toda classe de reação contrária: o Colégio de Advogados de Honduras, Poder Judiciário, Ministério Público, Procuradoria Geral da República, Comissionado Nacional dos Direitos Humanos, Tribunal Superior Eleitoral, Comissão Nacional de Anticorrupção, Partidos Políticos, Igreja Católica, Igrejas evangélicas, Associação Nacional de Indústrias e Sociedade Civil.
A partir deste ponto, as opiniões se polarizaram e a crise institucional teve seus contornos delineados. De um lado, o presidente Zelaya e seus seguidores, mormente autoridades do governo, funcionários em cargos de confiança e organizações sindicais e campesinas que fomenta, custeia e orquestra em todo país, inclusive depondo suas estruturas dirigentes, quando o logra, ou criando entidades paralelas, quando nas existentes se mantêm diretorias que lhe são hostis.
De outra parte, começou a aglutinar-se uma ainda desestruturada oposição, abrangendo os dois candidatos às eleições presidenciais de novembro, personalidades civis, como o Arcebispo de Tegucigalpa, vários dos mais proeminentes líderes empresariais, magistrados de várias cortes, a promotoria pública, até advogados que teriam sido consultados pelos governistas, o ex-presidente Ricardo Maduro (a quem Zelaya sucedeu), órgãos influentes da imprensa, etc.
Em 08 de maio, o Ministério Público iniciou uma ação judicial ante o Tribunal de Letras do Contencioso Administrativo contra o Decreto Executivo de 23 de março. Em 20 de maio, a própria Procuradoria do Estado aderiu à dita iniciativa e posicionou-se contra as intenções de Zelaya.
Antes de o Tribunal revelar seu veredito, mais precisamente no dia 14 de maio, Zelaya preparou uma grande festa na Casa Presidencial para o lançamento oficial da "Frente Patriótica de Defesa da Consulta Popular e da Quarta Urna", “dentro do processo de convocação de uma Assembléia Nacional Constituinte que elaborará a nova Constituição da República”. Na oportunidade, definiu-se a data da consulta, 28 de junho.
Para a cerimônia de anúncio foram convocados funcionários do governo até o terceiro nível, inclusive órgãos de administração indireta e autarquias. O comparecimento não foi apenas mandatório: cada pessoa convocada, obrigatoriamente, teria de trazer consigo outras três quaisquer. Mas nem tudo foi festa. Segundo observadores e comentaristas políticos, de certo modo foi uma demonstração de fraqueza do presidente Zelaya, posto que não conseguiu ali reunir qualquer liderança popular notoriamente importante.
Revelando considerável inabilidade no trato do assunto, o governo teve de reconhecer que mandara vir a Honduras o perito espanhol em matéria de direito constitucional Rubén Dalmau, que assessorou a Evo Morales e a Rafael Correa na elaboração das novas Constituições boliviana e equatoriana. Sua missão aqui, aconselhada por Chávez a Zelaya, seria a de preparar o projeto de uma nova Carta Magna que o Presidente apresentaria à Constituinte, “para facilitar e focalizar suas deliberações e expeditar o processo”.
O plano de Zelaya também previa o enfraquecimento das demais instituições do Estado. No referente ao Congresso, o governo buscou neutralizá-lo, enquanto não lograva sua completa reforma – “quem não votar pela quarta urna não será reeleito”, afirmava e reafirmava o presidente e seus porta-vozes.
O repasse de verbas ao Legislativo foi reduzido ao mínimo para pagar os salários de seus funcionários, dificultando o seu funcionamento normal. Mais que isto, a proposta de orçamento de 2009, que deveria ser enviada ao Congresso em setembro de 2008, nunca foi encaminhada para aprovação. Com essa manobra, Zelaya evitava a verificação pelos deputados do mau estado das contas públicas, com a receita em queda, como também impedia que os congressistas opinassem sobre a maneira com que o governo financiava suas atividades promocionais da “quarta urna”, graças a um dispositivo que lhe permitia aplicar o orçamento do ano anterior, enquanto o Legislativo não votasse o do ano em curso.
Apesar da crise que atingia Honduras impiedosamente, o governo gastava tudo que podia em vasta campanha midiática em prol da “quarta urna” e em atividades afins por todo o país (a comissão que investiga os gastos do governo deposto contabilizou um dado parcial de 40 milhões de dólares). Por outro lado, não foram repassados recursos de contrapartida para manter atividades de cooperação bilateral e multilateral, como afirmou o Representante
Permanente da União Européia, publicando extensa matéria paga em nome do Grupo dos 16 (constituído por todos os principais países doadores a Honduras). Não foram repassados recursos para o Tribunal Superior Eleitoral começar a organizar as eleições de novembro, nem para o Registro Nacional das Pessoas (RNP), órgão a quem compete proceder ao registro dos eleitores. Muitos outros compromissos deixaram de ser honrados: cerca de um quinto dos municípios não receberam o repasse obrigatório de recursos. Ficou claro que os municípios não contemplados eram justamente aqueles cujos prefeitos não haviam se incorporado ao projeto de Zelaya.
5. A REAÇÃO DOS DEMAIS PODERES DO ESTADO
No dia 27 de maio, o Tribunal de Letras do Contencioso Administrativo suspendeu todos os efeitos do Decreto Executivo PCM-005- 2009, por haver sido considerado inconstitucional. Buscando manter a legalidade no país, o Tribunal proibiu qualquer tipo de publicidade a respeito do assunto e, antecipadamente, emitiu um parecer considerando ilegal qualquer outra iniciativa do governo dedicada à implantação de uma consulta popular que tenha por finalidade instalar uma Assembléia Constituinte.
Apesar da decisão judicial, Zelaya seguia obstinado e, em claro desafio ao Tribunal, ordenou que a publicidade relacionada à “quarta urna” não fosse interrompida nos meios oficiais de comunicação.
Pressionado de todos os lados, o governo admitiu a ilegalidade do Decreto Executivo PCM-005-2009. Resolveu, então, apresentar um novo decreto (que não foi publicado até as vésperas da consulta, para evitar novo posicionamento por parte do Judiciário) com os mesmos vícios constitucionais, o PCM-019-2009. Basicamente, o novo decreto apresentado trocou a palavra “consulta” por “pesquisa” popular.
A finalidade da nova disposição era igual ao da anulada, quer dizer, fazer uma consulta nacional para responder à seguinte questão: “Está você de acordo que nas eleições gerais de novembro de 2009 se instale uma quarta urna para decidir sobre a convocação de uma Assembléia Nacional Constituinte que emita uma Nova Constituição da República? Sim ou Não”, segundo o artigo 1°.
O artigo 2° instrui às distintas instituições do Estado, centralizadas e descentralizadas, para que executem ativamente todas as tarefas que lhes sejam encomendadas para a realização da pesquisa.
As Forças Armadas que, até então, mantinham-se afastadas do conflito político, viram-se atraídas para o campo de disputa, uma vez que receberam ordem explicita, também por meio de um decreto presidencial, para apoiar logisticamente todas as atividades destinadas à consulta popular.
A Instituição Armada passou a ser alvo de forte pressão por parte de diferentes setores, que exigiam que a mesma não aceitasse participar de uma atividade claramente inconstitucional. As pressões não eram sem razão, uma vez que, por lei, as Forças Armadas são garantes da Constituição.
Artigo 272: “As Forças Armadas de Honduras são uma instituição nacional, de caráter permanente, essencialmente profissional, apolítica, obediente e não-deliberante” .
“Se constituem para defender a integridade territorial e a soberania da República, manter a paz, a ordem pública, o império da Constituição, os princípios de livre sufrágio e a alternabilidade no exercício da presidência da República”. (grifo do autor)
Além disso, o mutismo da Instituição a respeito da ordem recebida, associada às conhecidas boas relações que a Junta de Comandantes mantinha com o presidente, gerou um clima de desconfiança a respeito do posicionamento das Forças Armadas em relação à ordem recebida.
O Ministro da Presidência, Enrique Flores Lanza, negava-se a dizer quando seria publicado em Diário Oficial o novo decreto (PCM-019-2009) , para que o mesmo se convertesse em lei de cumprimento obrigatório. Por outro lado, assegurava que enquanto isso não ocorresse, as instituições do Poder Executivo deveriam obedecê-lo, “em razão de se estar em um regime presidencialista” .
Na noite de 24 de junho, fortemente pressionado, o Chefe do Estado-Maior Conjunto, General de Divisão Romeo Orlando Vásquez Velásquez, comunicou ao presidente da República que, por impedimento judicial, as Forças Armadas não poderiam apoiar logisticamente a pesquisa popular.
Às 21h 55min, Zelaya, em cadeia de rádio e televisão, anunciou a destituição do Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e a aceitação da renúncia do Ministro da Defesa. O Ministro Orellana, apesar de dileto amigo de Zelaya, já havia se convencido sobre a ilegalidade da consulta. Em solidariedade ao General Vásquez, os três comandantes de Força - Exército, Marinha e Aeronáutica – renunciaram aos seus comandos.
No mesmo pronunciamento, o presidente convocou sua base de apoio, conformada por movimentos sociais, a uma reunião na Casa Presidencial, às 12:00 de 25 de junho, para, de acordo com suas palavras, “definir os novos rumos democráticos a serem seguidos pelo país”.
O conflito entre os poderes do Estado se extremou. Baseado no artigo 323 da Constituição, a Corte Suprema de Justiça reintegrou o General Vasquez na manhã de 25 de junho.
ARTIGO 323.- “os funcionários são depositários da autoridade, responsáveis legalmente por sua conduta oficial, sujeitos a lei e jamais superiores a ela. Nenhum funcionário ou empregado, civil o militar, está obrigado a cumprir ordens ilegais ou que impliquem a execução de delito”. (grifo do autor)
O dia 25 de junho de 2009 foi um dia intenso. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) também resolveu declarar ilegal a pesquisa de opinião político-eleitoral convocada pelo Poder Executivo para o domingo 28 de junho, por violar o que estabelece a Constituição da República.
Nesse mesmo dia, magistrados do TSE e integrantes do Ministério Público apreenderam o material destinado à consulta, que havia sido trazido da Venezuela, e encontrava-se armazenado em um galpão dentro da Base Aérea Hernan Costa Mejia. Na oportunidade, o Coronel Castillo Brown, Chefe do Estado-Maior Aéreo, foi nomeado fiel depositário do material apreendido, o qual permaneceu nas instalações da base.
Por volta das 15 horas, o presidente da República, liderando uma turba de seus seguidores, desconhecendo completamente as resoluções da Justiça e abusando de sua autoridade, assaltou as instalações da Força Aérea e recuperou o material destinado à consulta popular. Na ocasião, expressou publicamente que não iria respeitar decisões do Poder Judiciário, que o Poder Legislativo não representava o povo, mas sim ele, que havia sido eleito presidente de Honduras.
Finalmente, às 24:00 horas, o novo Decreto Executivo (PCM-019-2009) foi publicado, sendo divulgado ao público somente no dia 26, por meio de cadeia de rádio e televisão.
Nesse mesmo dia, o Fiscal Geral da República apresentou ante a Corte Suprema de Justiça um requerimento fiscal e solicitou ordem de captura contra Manuel Zelaya Rosales, sob as acusações de conspirar contra a forma de governo, traição à pátria, abuso de autoridade e usurpação de função em prejuízo da administração pública e ao Estado de Honduras.
No dia 27 de junho, às 22:00 horas, a Corte Suprema de Justiça ordenou às Forças Armadas a captura do presidente da República pelos delitos já mencionados e a paralisação da consulta, o que foi realizado na manhã do dia 28.
Às 12 horas do dia 28, por 123 votos contra 5, o Congresso Nacional referendou a decisão da Corte Suprema e empossou Micheletti como o novo presidente constitucional de Honduras.
Cabe ressaltar que a posse de Micheletti, então presidente do Congresso Nacional, deu-se pela ausência do vice-presidente, que havia renunciado meses antes para candidatar-se às eleições presidenciais de novembro.
6. ESCLARECIMENTOS
Acredito que a exposição realizada ainda possa não convencer a muitos que vêem a ação como um típico golpe de Estado. É certo que alguns pontos seguem sem uma justificativa convincente. A decisão de expulsar o ex-presidente do país, enviando-o para Costa Rica, é um deles.
A ordem emitida era clara: capturar Manuel Zelaya e colocá-lo à disposição da justiça para responder pelos delitos que lhe foram imputados. É preciso, no entanto, considerar as conseqüências de manter preso no país um ex-presidente disposto a tudo - como já havia dado mostras dias antes, ao invadir uma instalação militar liderando uma turba - e respaldado por Chávez e seus petrodólares. A questão não pode ser corretamente avaliada se nos distanciarmos da realidade do que é Honduras, um país de instituições ainda frágeis, onde seus agentes são suscetíveis a todo tipo de pressão e coação. Reconheço, no entanto, que, aos olhos de países mais avançados, com democracias e instituições consolidadas, essas argumentações não são suficientes para esgotar o assunto.
Talvez, mas só talvez, os hondurenhos tivessem muito mais a lamentar caso o ex-presidente permanecesse encarcerado em Honduras. A decisão foi tomada no fragor do combate, de comum acordo entre a Junta de Comandantes e o presidente da Corte Suprema. É possível que não tenha sido a mais acertada. Podemos apenas especular. De fato, jamais saberemos.
Como um segundo ponto, ainda se pode argumentar que o presidente não foi julgado por seus crimes e que tampouco foi seguido um desejado processo de “impeachment”. Para tentar explicar esse aspecto, apresento o que consta da Constituição de Honduras, conforme o já citado artigo 239, que me permito repetir para maior clareza.
Artigo 239: “O cidadão que tenha desempenhado a titularidade do Poder Executivo não poderá ser Presidente ou Designado. Aquele que ofender esta disposição ou propuser sua reforma, bem como aqueles que a apóiem direta ou indiretamente, terão cessado de imediato o desempenho de seus respectivos cargos e ficarão inabilitados por dez anos para o exercício de toda função pública”. (grifo do autor)
Observe-se que o artigo fala em intento e também diz “de imediato” – ou, “no mesmo instante”, ou “sem necessidade de abertura de processo”, ou de “impeachment”. De acordo com a interpretação dos juristas hondurenhos, no momento em que Zelaya foi preso e expulso do país ele já não exercia a presidência da República. Encontrava-se em flagrante delito desde que se tomou conhecimento do decreto no dia 26 de junho e por isso “teve cessado de imediato o desempenho de seu respectivo cargo”. Essa interpretação não foi inédita. Semelhante critério foi aplicado contra um presidente do Congresso Nacional deposto na década de 80.
Como um terceiro ponto obscuro, houve uma suposta carta de renúncia que teria sido firmada por Zelaya e apresentada por um deputado ao Congresso Nacional, momentos antes da posse de Micheletti. Para explicá-la, nada tenho a dizer. Poucos a viram e creio que ninguém a analisou.
Muito provavelmente seja falsa. Em situações como essa, onde predominam a incerteza e a insegurança, algumas iniciativas individuais são tomadas de forma atabalhoada e em nada contribuem para que a verdade aflore.

7. REFLEXÕES
Resolvi escrever essas linhas diante da minha perplexidade pela unânime e contundente caracterização do que ocorreu em Honduras, por parte da comunidade internacional, como um golpe de Estado. Para alguns, golpe militar de Estado. Ficou muito evidenciada para mim a dicotomia entre as percepções interna e externa de um mesmo processo. Para a totalidade das instituições do Estado de Honduras e, sem nenhuma imprecisão, para a grande maioria da população, não foi golpe, muito menos militar.
Aceito, sem relutância, que possa haver dúvida sobre a legalidade do que ocorreu em Honduras, sobretudo para os que não acompanharam o processo e não estão muito afeitos à legislação interna. Por isso, entendo a veemência com que a comunidade internacional reagiu à cena descrita no parágrafo introdutório. Soluções à ponta de baioneta já não podem mesmo ser toleradas. O que não entendo é o absoluto desprezo da comunidade internacional pelos argumentos que Honduras vem tentando desesperadamente apresentar para justificar suas ações em vistas a salvar sua própria democracia.
Acho que uma grande desordem se estabeleceu em torno dos aspectos que conformam o conceito de democracia. Confunde-se democracia com eleição popular, olvidando-se que o sufrágio não é mais que apenas um dos seus componentes. Fundamental, mas não exclusivo.
Diante dessa aceitação, indisfarçáveis ditadores, eleitos pelo povo, sentem-se inatingíveis, acima do bem e do mal, inclusive com licença para delinqüir.
No Brasil, é mais que evidente a dificuldade do Congresso Nacional em caracterizar a Venezuela como um país não-democrático e impedir sua incorporação ao MERCOSUL. A argumentação não foge ao roteiro: o ex-golpista está regenerado, foi eleito pelo povo. Valendo-se do mesmo raciocínio, o governo não vê grandes problemas em estreitar relações com o Irã, afinal, conforme asseverou Lula, Ahmadinejad foi eleito pelo povo em “eleições limpas”.
A confusão não para por aí. Recentemente, a Organização dos Estados Americanos (OEA) não viu a Carta Democrática como um obstáculo à reabilitação de Cuba, mas valeu-se deste mesmo documento para suspender Honduras dos seus quadros. Quando governadores da oposição de Chávez encontraram- se com o Secretario Geral para denunciar os abusos do presidente venezuelano contra a democracia, receberam como resposta que pouco se poderia fazer, pois a OEA era respeitosa da soberania dos Estados e atenta ao princípio da não-intervenção.

Confusões a parte, as relações internacionais seguem sendo governadas pelo pragmatismo e, no fim das contas, o que se pretende mesmo é preservar o “status quo”. Assim, por que importaria a soberania ou a autodeterminaçã o de Honduras?. Para que ouvir a argumentação da sua gente? Afinal, Zelaya não foi eleito pelo povo.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

brasil & honduras - nota oficial

da Folha Online
O governo interino de Honduras afirmou nesta quinta-feira que houve 'evidente intromissão' do Brasil 'nos assuntos internos' do país na acolhida do presidente deposto Manuel Zelaya na embaixada brasileira em Tegucigalpa e que, por isso, o governo brasileiro é responsável não só pela segurança do hondurenho como pela de todas as pessoas e propriedades que estiverem envolvidas no caso. Veja o comunicado original.

24/09/2009 - 18h56

Honduras diz que volta de Zelaya foi promovida pelo Brasil; leia íntegra

Leia a íntegra da nota, em português:
"A Secretaria de Relações Exteriores comunica às opiniões nacional e internacional:
Que o presidente do Brasil, senhor Luiz Inácio Lula da Silva, e seu chanceler expressaram aos meios de comunicação, nas Nações Unidas, que o seu governo não teve conhecimento prévio da entrada do senhor José Manuel Zelaya Rosales --foragido da Justiça hondurenha-- nas dependências que o governo do Brasil ainda mantém em Tegucigalpa.
Que essas afirmações foram categoricamente desmentidas pelo principal beneficiário e protegido, senhor José Manuel Zelaya Rosales, que no dia de ontem declarou dos escritórios do Brasil em Tegucigalpa que 'foi uma decisão pessoal e foi consultada com o presidente Lula e com o chanceler Amorim, igual com o encarregado de negócios aqui de Tegucigalpa'.
Que, à luz destas declarações, fica evidente a intromissão do governo do senhor Lula da Silva nos assuntos internos de Honduras.
Que sendo a presença do senhor Zelaya na Missão do Brasil em Tegucigalpa um ato promovido e consentido pelo governo do Brasil, recaem sobre este a responsabilidade pela vida e segurança do senhor Zelaya e pelos danos à integridade física das pessoas e das propriedades derivadas da permissão de que se converta essa Missão em plataforma de propaganda política e concentração de pessoas armadas que ameaçam a paz e a ordem públicas internas de Honduras."

OPÇÃO PELA ILEGALIDADE

Brasil: opção preferencial pela ilegalidade – Parte 1

Graça Salgueiro

As pessoas de bem e que prezam o Estado de Direito e o império das leis estão estarrecidas diante de dois fatos ocorridos nos últimos dias, não necessariamente conexos mas ambos pautados pelas deliberações do Foro de São Paulo e à implantação de um governo comunista em nosso país.

O primeiro caso tem como objetivo desmoralizar e destruir o último bastião que ainda tínhamos de moralidade no país, que é o Supremo Tribunal Federal (STF), a nossa Corte Suprema de Justiça, um dos mais importantes pilares de uma sociedade democrática. O segundo caso, ocorrido ontem (21.09), refere-se ao abusivo, ilegal e imoral asilo que a Embaixada do Brasil em Honduras ofereceu ao deposto presidente Manuel Zelaya, mas disso eu trato noutro artigo.

Em 1983, o ex-agente do antigo KGB (hoje FSB), Yuri Bezmenov, ofereceu uma palestra nos Estados Unidos onde relatou que, dentre outras atividades da agência estava o de desmoralizar e destruir todos os poderes constituídos, não com bombas ou ataques terroristas mas desde dentro, por meio da infiltração. Os agentes infiltrados tinham como função perverter conceitos como moral, ética, senso de justiça e todos os valores universais inerentes a tais instituições. E assim se fez com a Igreja, com as Forças Armadas, com as Polícias, escolas e universidades, além de, naturalmente, os três poderes da República.

Com o falecimento do ministro Carlos Alberto Menezes Direito, o presidente Luiz Inácio indicou o advogado José Antônio Dias Toffoli para ocupar a vaga. Ocorre que este senhor não tem a mais mínima condição de ocupar o cargo, uma vez que dentre as três únicas exigências ele só satisfaz uma, a idade. A mais alta corte do país exige que o ocupante do cargo possua “notório saber jurídico” e “ilibada reputação”. Toffoli respondia a dois processos no estado do Amapá, por “afronta à Lei de Licitações” e ao “princípio da moralidade administrativa”. Além disso, durante toda sua vida profissional – apenas como advogado, pois foi reprovado por duas vezes em concurso para juiz -, Toffoli só trabalhou para o PT e para o Sr. da Silva. O cargo ocupado na Procuradoria Geral da União não foi por mérito, mas por indicação do “padrinho Lula”.

Quando o STF julgou o processo de extradição de Cesare Battisti, no dia 10 pp., a votação estava em 4 x 3 para a extradição; faltavam votar os ministros Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes, que daria o voto de Minerva. Quem assistiu à sessão pôde perceber que Gilmar Mendes votaria a favor da extradição, então, numa manobra claríssima para ganhar tempo para o Governo, Marco Aurélio pede “vistas ao processo” e a sessão foi adiada. Já naquela altura se sabia da indicação de Toffoli para o STF mas, como ele ainda não havia assumido, se Marco Aurélio desse seu voto – nitidamente contrário à extradição, pela maneira como argüia – a questão seria resolvida ali, o fato estaria consumado e a derrota do Governo estaria sacramentada.

Ontem o juiz Mário Mazuk, titular da 2ª Vara Cível de Fazenda Pública de Macapá (AP), muito providencialmente suspendeu (ou recebeu ordens “superiores”?) a decisão dada por seu substituto Mário Cesar Kaskelis de condenar Toffoli e seu escritório a uma multa de R$ 700.000,00. No dia 30 deste mês Toffoli será sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado mas, como a maioria dos senadores desta comissão é do PT ou da base aliada do Governo (o que dá na mesma coisa), nada daquilo que o povo brasileiro vê como uma afronta e um desrespeito às Leis será motivo bastante para impedir que o protegido do presidente ocupe a cadeira vitalícia do STF.

Rumora-se que, com a suspensão do processo que atestava claramente ser duvidosa a tal “reputação ilibada” do candidato lulista, a pseudo oposição perdeu o argumento mais forte que possuía para acabar com as pretensões deste senhor de se tornar, da noite para o dia e em troca de seus bons ofícios ao Partido-Estado, num dos homens mais poderosos do Brasil. Com sua nomeação para o STF, que já dou como favas contadas, seu voto contrário à extradição do criminoso Battisti é apenas o tempo que leva para a sua posse. O Governo mata, desta forma, dois coelhos com uma só cajadada e deixa clara sua opção pela ilegalidade, ao mesmo tempo em que o trabalho meticuloso e paciente da implantação do comunismo no nosso país lança sua última pá de cal no que resta de democracia, justiça, prevalência das Leis.

http://www.heitordepaola.com/publicacoes_materia.asp?id_artigo=1261

Brasil: opção preferencial pela ilegalidade – Parte 2

Graça Salgueiro

Ontem o governo brasileiro desferiu o golpe mais baixo, desrespeitoso e ilegal contra o governo de fato de Honduras, quando participou da conspiração para abrigar clandestinamente em sua embaixada o presidente deposto constitucionalmente Manuel Zelaya.

Para que se possa compreender este fato, é necessário recuar um pouco no tempo e ler o que diz na Resolução Final do XV Encontro do Foro de São Paulo, ocorrido no México entre 22 e 23 de agosto, em seu parágrafo décimo quinto, item 2, onde os principais temas debatidos foram o acordo militar Colômbia-Estados Unidos e o “golpe” em Honduras:

“Décimo quinto (...)

2. Apoiar decididamente a esquerda hondurenha nos termos da resolução particular por este XV Encontro” (http://www.pt.org.br/portalpt/index.php?option=com_content&task=view&id=81039&Itemid=195).

Ora, o que de tão secreto acordou-se nesta “resolução particular” que apenas os eleitos puderam tomar conhecimento? Não se sabe mas é possível presumir, depois do que ocorreu ontem em Honduras. Desde que Zelaya foi deposto a posição do Brasil sempre foi coerente, não com os fatos e a realidade, tampouco com o que diz da boca para fora ao defender a democracia, a soberania nacional e a auto-determinação dos povos, mas ao ideário comunista. Cortou vários acordos bilaterais que mantinha com aquele país, desconheceu o novo governo bem como os funcionários da embaixada, cancelou os vistos dos hondurenhos residentes no Brasil, além de insistentemente exigir do comuno-muçulmano presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que apertasse o cerco contra o novo governo de Roberto Micheletti.

Obama apertou mas não tanto quanto desejavam Lula-Chávez-FARC, que queriam a caveira de Micheletti e seu acólito Zelaya outra vez no poder, para dar prosseguimento aos planos de comunizar Honduras e fazer dela um paraíso do narco-terrorismo como esteve quase a ponto de se tornar.

Agora, depois que atiçaram fogo ao paiol de pólvora, reagem em um coro cínico e hipócrita todos os que contribuíram para este fato. Inzulsa deixa cair a máscara e novamente volta a insistir na aprovação do pacto de São José da Costa Rica, proposto pelo presidente Oscar Arias, que pede a anistia a Zelaya e sua volta ao poder. Ademais, joga o mesmo jogo sujo que as FARC e Chávez fazem com Uribe, quando dizem que “ele” não quer se abrir ao diálogo. Em um comunicado emitido ao governo hondurenho, Inzulsa diz: “Quero fazer um chamado à calma aos atores envolvidos neste processo, e assinalar às autoridades do governo de fato que devem tornar-se responsáveis pela segurança do presidente Zelaya e da embaixada do Brasil”. Ora, se cabe alguma responsabilidade nisso é ao Sr. Luiz Inácio e ao Sr. Hugo Chávez, mentores da patifaria!

O embaixador do Brasil em Honduras, Ruy Casaes, por sua vez, diz que Zelaya chegou “por meios próprios, pacíficos e acompanhado de sua esposa e outras pessoas”. As palavras-chave neste momento são “diálogo”, “calma” “pacificação”, “respeito à democracia”. São repetidas à exaustão para que o povo fixe apenas o que é dito, enquanto as ações não têm NADA de pacífico e muito menos democrático. Os seguidores de Zelaya já começaram seus atos de vandalismo, depredando, saqueando e até um carro da Polícia foi incendiado e, no entanto, todos os favoráveis à desordem e ao desrespeito à Constituição, acusam a oposição daquilo que eles fazem.

Uma das provas mais fidedignas de que este retorno de Zelaya estava planejado desde o Foro de São Paulo e de comum acordo entre Lula e Chávez é que, quem primeiro deu a notícia foi a rede de TV TeleSul, e a primeira pessoa a falar com Zelaya por telefone foi Chávez. Ousado, este delinqüente bolivariano mandou uma clara ameaça a Micheletti: “Esperamos que os golpistas entreguem o poder e não vão massacrar esse povo ou tentar uma loucura. O mundo está na expectativa”. No entanto, logo após se certificar de que a embaixada do Brasil havia recebido clandestinamente Zelaya, o presidente Micheletti fez este comunicado que apenas pede o que é legal: que o Brasil ofereça asilo político a Zelaya ou o entregue às autoridades para ser julgado como qualquer outro cidadão que tem um processo pendente na justiça.

Até agora o Brasil não se pronunciou mas Lula disse desde New York - onde foi para a reunião da comunista e cúmplice ONU -, muito inflamado e com os olhos esbugalhados, que “não se pode mais admitir na América Latina, que militares dêem golpe de Estado e fiquem impunes; isto é intolerável!”.

Esta atitude mesquinha, covarde, ilegal e condenável sob todos os aspectos do governo brasileiro, trará, como já está sendo visto, conseqüências muito nefastas, sobretudo aos hondurenhos que serão as vítimas desta rebelião que começa a se formar. Que recaia sobre os ombros e a responsabilidade dos Srs. Luiz Inácio Lula da Silva, Marco Aurélio Garcia e Celso Amorim, os danos físicos, morais e materiais que ocorrerem ao povo hondurenho. E se houver um massacre, não culpem o presidente Micheletti ou as Forças de Segurança hondurenhas, mas aos que agiram clandestinamente, de má-fé e calculadamente, tramando desde o Foro de São Paulo, conluiados com a OEA, a ALBA e a ONU.

Se houver um massacre em Honduras, terá sido planejado e executado por estes mesmos que advogam pelo “retorno à democracia”, ou ainda pelo próprio Zelaya que chegou adaptando o slogan bolivariano “Pátria, restituição ou morte!”. Do mesmo modo que foram planejados os massacres de 11 de abril de 2002 na Venezuela, e em 11 de setembro de 2008 na Bolívia, seus autores são os mesmos de sempre e nós os conhecemos bem!

A (re)instalaçãod e ZELAYA no poder

IRRESPONSÁVEIS, FALASTRÕES E PERIGOSOS
Reinaldo Azevedo
O Brasil não reconhece o governo de Honduras. Muito bem. É parte do jogo e do concerto das nações. Este não-reconhecimento tem graus e vai da suspensão de qualquer cooperação até o fechamento da embaixada, com a retirada de todo o corpo diplomático. Mas aquilo a que se assiste em Tegucigalpa é outra coisa: o Itamaraty, numa ação concertada com Hugo Chávez e Daniel Ortega, criou meios para a entrada de Manuel Zelaya no país, violando a Constituição do Brasil, a Constituição de Honduras e a Carta da OEA. Já demonstrei isso. Mas o bolivarianinho Celso Amorim achou pouco: permitiu que Manuel Zelaya usasse as dependências da embaixada para convocar os seus seguidores para a “resistência”.
Embora fale em nome da “paz”, o apelo do bandoleiro deposto não descarta a guerra civil: “Pátria, restituição ou morte”. Lula e Amorim usam a pobre Honduras de forma miserável para exibir seus músculos (santo Deus!!!) e esperam que os hondurenhos tenham o juízo que eles não têm. Afinal, que compromisso o chamado “governo de fato” pode ter com a inviolabilidade da embaixada do Brasil se é considerado um “fora-da-lei”? “Creio que, no momento, tudo que se pode dizer é reiterar nosso pedido diário para que ambas as partes desistam de ações que tenham um desenlace violento”, afirmou Ian Kelly, porta-voz do departamento de Estado dos EUA. E, então, chegamos ao problema.
Os americanos já perceberam - e vai demorar bastante tempo até que a opinião pública mundial se dê conta - que Barack Obama como “líder” do Ocidente é uma piada. Poderíamos supor que a ação do eixo Lula-Chávez-Ortega contou com a bênção dos EUA. Não faltará quem vá buscar indícios de que a Casa Branca sempre esteve no controle. Bobagem! O governo americano foi surpreendido pelo protagonismo da esquerda carnívora (Chávez e Ortega) unida à esquerda herbívora (Lula).
Tenho me correspondido com hondurenhos. Não há menor a possibilidade de Zelaya governar o país a não ser com leis de exceção. Seus únicos apoios são sindicatos dominados por grupelhos de esquerda. Os EUA já tinham se dado conta disso e contavam empurrar a situação com a barriga até novembro, quando há eleições. Mas não deixaram claro que uma ingerência nos assuntos internos de Honduras era inaceitável. Então os lobos e os ruminantes entraram em ação. Tudo debaixo do queixo de estátua de Obama. Se a opinião pública ainda não percebeu que ele é fraco, hesitante, colegial, os governos já entenderam tudo. Pode passar a mão no joelho do rapaz, que a reação indignada virá umas 48 horas depois.
Antes que volte a Brasil e Honduras, mais algumas considerações sobre o mito já despedaçado. Obama é patético. A recente decisão de renunciar ao escudo antimísseis na Europa Oriental, dançando cancã para Putin, de saiote levantado, sem exigir uma miserável contrapartida, dá conta de com quem o mundo está lidando. Há uma explicação bastante sofisticada, inteligente e errada, para o caso: ele agiria assim porque pretende ter o apoio da Rússia, que pressionaria o Irã a não dar seqüência a seu plano nuclear. Aiatolás se interessam por russos enquanto russos forem úteis às pretensões, vamos dizer, “imperialistas” dos aiatolás. No dia em que a Rússia deixar de ser um bom parceiro, o Irã vai fazer o que acha certo. E, nesse caso, pode ser tarde demais.
Que fique o registro: eu não achava uma grande idéia instalar os escudos na Europa Oriental. Tomada a decisão pelo governo americano (pouco importa quem era o presidente), não se volta atrás assim, sem mais nem aquela. Sem contar que Obama deixou na mão os aliados dos EUA na Europa Oriental. Ele poderia ter parado por aí. Mas foi além: como tem a pretensão de governar os EUA a partir dos meios de comunicação, saiu negando que estivesse tentando agradar a Rússia. Ou seja, estava tentando agradar a Rússia. É um primitivo vendido por seus mistificadores como grande estrategista. O que me consola é que não será reeleito.
Por que essa digressão sobre Obama e o escudo? Chamo a atenção dos senhores para o fato de que um presidente dos EUA que faz essas patetices é absolutamente compatível com este que assiste à segunda tentativa de golpe civil bolivariano em Honduras. O primeiro foi repelido pela Justiça, pelo Congresso, pelas Forças Armadas e pela população. Mas Chávez não se conformou. Daniel Ortega mandou homens para a fronteira. Súcias de venezuelanos e nicaragüenses entraram no país para comandar o banho de sangue, frustrado porque é tal o ódio que o país tem a Zelaya, que falta a um dos lados massa para o confronto. Como tudo fracassou, então os neogorilas do continente rasgam a Carta da OEA, pisoteiam na Constituição hondurenha e garantem a Zelaya a volta ao país, usando a embaixada brasileira em Tegucigalpa como palco dessa pantomima.
Sim, no Brasil, há quem veja nessa atitude um gesto de coragem, ousadia e humanismo até. Sem dúvida. A prova maior da grandeza moral de Lula é sua undécima defesa da ditadura cubana, agora nas Nações Unidas. O governo brasileiro insufla a guerra civil num país que não tem presos de consciência e respeita as normas comezinhas do Estado de Direito e pede que uma tirania seja tratada como um governo respeitável. E alguns tontos no Brasil se regozijam. Ora, digamos que a Justiça, o Congresso e as Forças Armadas tivessem deposto Zelaya em desacordo com a Constituição, O QUE É MENTIRA, pergunto: isso justifica que o Brasil, para restaurar a democracia (que nunca deixou de existir), viole as regras mais básicas do direito internacional?
Porta-vozes de Celso Amorim na imprensa brasileira já se encarregam de espalhar a versão de que Zelaya ter “escolhido” (!!!) o Brasil é sinal do prestígio do país na região.
A propósito: aquela gente que ficou torrando a minha paciência apontando o “golpe” que derrubou Zelaya não vai reclamar da óbvia ingerência do Brasil nos assuntos internos de um outro país e do desrespeito à Carta da OEA? Micheletti pediu que o Brasil entregue Zelaya à Justiça. Que Justiça? Lula e Amorim, pelo visto, não reconhecem nem o Congresso nem o Judiciário de Honduras. A reinstalação de Zelaya no poder só poderia se dar se ele fosse posto num trono, com rei absolutista de Honduras, não como presidente.
De todas as porra-louquices internacionais feitas pelo Megalonanico, esta foi, sem dúvida, a maior e mais ousada, pautada, ademais, pela propaganda. Lula vai defender o fim do embargo comercial americano à tirania cubana com a “força” de quem intervém de modo grotesco na realidade interna de um outro país, mesmo com o risco de lançá-lo numa guerra civil. Lula queria ser notícia no mundo. Até havia pouco, noves fora a discurseria mistificadora, o governo Lula era, em política internacional, arrogante e falastrão. Agora estamos vendo que pode ser também perigoso.
Não faz tempo, a Economist perguntou de que lado estava o Brasil. A resposta era e é clara: do lado das ditaduras e dos que vislumbram uma “nova ordem” com o declínio dos EUA. Começamos a ver que cara ela vai assumindo.

Arquivo do blog

A PM DEFENDE OS PM?

Quem sou eu