segunda-feira, 11 de agosto de 2014

O ADVOGADO E A "POLÍCIA DE NINGUÉM"


A INSTALAÇÃO DOS CURSOS JURÍDICOS NO BRASIL ACONTECEU DEPOIS DE DISSOLVIDA A CONSTITUINTE EM 1823, ONDE VÁRIOS DEBATES DISCUTIAM A DEFINIÇÃO DO ESTADO NACIONAL, LOGO APÓS A PROCLAMAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA.

EM 11 DE AGOSTO DE 1827, DEPOIS DE MUITAS DISPUTAS DE INTERESSES SOBRE A LOCALIZAÇÃO DAS UNIVERSIDADES, FINALMENTE ACABOU FIRMANDO OLINDA E SÃO PAULO COMO AS PRIMEIRAS ÁREAS DA INSTALAÇÃO DOS CURSOS DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. 

NESSA ÉPOCA, ESTÃO AS RAÍZES DA POLÍCIA FORMADA POR NOSSOS ANTEPASSADOS TRAZIDOS COMPULSORIAMENTE DO GRANDE CONTINENTE NEGRO E ATIRADOS NO MEIO INDÍGENA, MESCLANDO UMA NOVA GENTE QUE DARCY RIBEIRO NA CÉLEBRE OBRA "O POVO BRASILEIRO" CHAMOU DE "ZÉ NINGUÉM".


A MISCIGENAÇÃO DO POVO BRASILEIRO TRAZ A ESTAMPA DE SUAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E CULTURAIS, FORMANDO UMA NAÇÃO MESTIÇA.

FOI DESSA GENTE QUE SE FORMOU O EXÉRCITO DO TEMPO DO IMPÉRIO; NÃO DOS JUDEUS SEFARDITAS, QUE NÃO TEM PROXIMIDADE NEM SIMPATIA POR FARDA, NEM DOS ÁRABES ESCONDIDOS DA HISTÓRIA REAL DO BRASIL QUE TAMBÉM NÃO TINHAM QUALQUER PROXIMIDADE COM MILÍCIAS. 

A PARTIR DA CRIAÇÃO DA ELITE BURGUESA VINDA NA CONDIÇÃO DE DEGREDADOS DE ALÉM-MAR, A GUARDA NACIONAL FOI A PRIMEIRA FORÇA QUE PRECEDEU A POLÍCIA, SUBSTITUINDO O EXÉRCITO.
A POLÍCIA MILITAR CONFORME A CONHECEMOS ATUALMENTE, APESAR DE MUITOS DIZEREM QUE É CENTENÁRIA, USURPOU CARACTERÍSTICAS QUE ERAM DE OUTRAS MILÍCIAS COM ELA FUNDIDAS À FORÇA. 
CRIADA POR DECRETO DITATORIAL EM DEZEMBRO DE 1970, TEM NA SEMENTE DA GUARDA NACIONAL O OFICIALATO E NO EXÉRCITO DA MESMA ÉPOCA, A BASE DA GRANDE PIRÂMIDE ATUAL.
O EXÉRCITO ERA UMA FORÇA COM MAIORIA DE NEGROS E MULATOS, HOMENS POBRES, SEM NENHUMA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL POUCO CONSIDERADOS SOCIALMENTE. 
NOS ALTOS POSTOS DE COMANDO, PORÉM, HAVIA OS ESTRANGEIROS QUE MANDAVAM, PROVOCANDO UMA FALTA DE CONFIANÇA DO GOVERNO NA FIDELIDADE DO PESSOAL DO EXÉRCITO,  CONSIDERADO MAIS COMO UMA AMEAÇA EM POTENCIAL AO LIBERALISMO INSTAURADO COM A REGÊNCIA DE PEDRO II DO QUE COMO FORÇA DE DEFESA.
PARA GARANTIR A MANUTENÇÃO DA ORDEM SOCIAL, FOI SENDO DESMONTADO O EFETIVO DESSE EXÉRCITO AOS POUCOS, ATÉ CHEGAR AO PONTO DE NÃO SEREM RECRUTADOS NOVOS INTEGRANTES E EM AGOSTO DE 1831 FOI CRIADA A GUARDA NACIONAL.
DE REVESTIMENTO LIBERAL E CIVIL, ALÉM DE MANTER A “ORDEM”, ERA UMA ORGANIZAÇÃO EFICIENTE, COM JUÍZES DE PAZ EM TODO O IMPÉRIO INVESTIDOS DE PODER PARA AMPLIAR ESSES EFETIVOS MUNICIPAIS, OBRIGANDO O CUMPRIMENTO DAS LEIS, SEMPRE SOB FORÇA COERCITIVA.
A GUARDA NACIONAL, RECONHECIDAMENTE ESPALHOU SEMENTES DO OFICIALATO NAS PMS BRASILEIRAS, SENDO DESDE AQUELA ÉPOCA, O INSTRUMENTO PARA DEFESA DA CONSTITUIÇÃO, LIBERDADE, INDEPENDÊNCIA E INTEGRIDADE DO IMPÉRIO.
DO IMPÉRIO ONTEM, DA ELITE HOJE.
A MASSA "SEM IMPORTÂNCIA" CONTINUOU CRESCENDO E VIROU ALVO DE ESPERTALHÕES E OPORTUNISTAS QUE MUITO LUCRARAM COM A REPÚBLICA E O ABOLICIONISMO.
É A MESMA MASSA QUE PAGOU MUITAS ALFORRIAS AO BRASIL, AINDA UM PAÍS EXTREMAMENTE VIOLENTO EM RELAÇÃO AO RACISMO NÃO DECLARADO.
ÉPOCAS BEM PRÓXIMAS E DESTINOS TÃO DIFERENTES, O ADVOGADO E O POLICIAL.

ALGUNS TRAÇOS AINDA OS APROXIMAM, ESPECIALMENTE SE ESTIVEREM CAMINHANDO NA MESMA ESTRADA: OS QUE BUSCAM DIGNIDADE, CONTRA O GOSTO DA INJUSTIÇA E DA HUMILHAÇÃO; OS QUE BUSCAM LIBERDADE, CONTRA OS GRILHÕES QUE PRENDEM A ALMA, A MENTE E DESTROEM A VIDA.

OS DÉSPOTAS, VESTINDO FARDA OU TOGA NO CENÁRIO DA JUSTIÇA ESPECIAL NÃO DIFEREM MUITO ENTRE SÍ, POIS SE CONFUNDEM EM PAPÉIS QUE ENCENAM ANTES E AGORA OU VÃO ENCENAR DEPOIS.

SÃO MERCENÁRIOS, QUE SE COMPRAZEM COM A DOR DO OPRIMIDO, QUE TENTAM CALAR A VOZ DOS QUE TEM INDEPENDÊNCIA E SOBRETUDO, QUE USAM MAL E PARA BENEFÍCIO PRÓPRIO O PODER QUE O ESTADO LHES CONFIOU.

MUITO CUIDADO COM ESSES "ZÉ NINGUÉM" PORQUE ELES NÃO CONSTROEM NADA, SÃO VAMPIROS QUE SE SUSTENTAM DO SUOR E SANGUE DAS VÍTIMAS.

MUDANDO UM POUCO O ENFOQUE DO TEMA ABORDADO, MAS NÃO O SUFICIENTE PARA SEPARAR AMBAS AS CARREIRAS, DE POLICIAIS E BACHARÉIS, VOAMOS PARA AGOSTO DE 1994, QUANDO UM PROMOTOR DE JUSTIÇA CAUSOU ALVOROÇO AO PUBLICAR SUA OPINIÃO EM COLUNA DE JORNAL PAULISTA.

MARCO ANTONIO FERREIRA LIMA ERA PROMOTOR NA JUSTIÇA ESPECIAL, MAIS EXATAMENTE NA 1ª AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR, QUANDO FALOU SOBRE A LETALIDADE DA POLÍCIA MILITAR.

EM ARQUIVOS DIGITAIS É POSSÍVEL ENCONTRAR FARTO MATERIAL PARA A COMPREENSÃO DO QUE HOJE, COTIDIANAMENTE AFLIGE A POPULAÇÃO PAULISTA: A MESMA VIOLÊNCIA DA ANTIGA GUARDA NACIONAL CRIADA PARA A ELITE: HOJE POLÍCIA MILITAR.

NO DIZER DO ENTÃO PROMOTOR DA JUSTIÇA MILITAR, A CONHECIDA MILÍCIA QUE MAIS MATA NO BRASIL, MUITO ESPECIALMENTE EM ÁREAS POBRES E PERIFÉRICAS DA CAPITAL PAULISTA, ONDE ESTÁ A LEGÍTIMA DESCENDÊNCIA DOS CATIVOS PARA AQUI TRAZIDOS, É UMA 

"POLÍCIA DE NINGUÉM"





COLUNA DO LEITOR DA FOLHA DE SÃO PAULO EM 04 DE AGOSTO DE 1994, COM A OPINIÃO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA MILITAR MARCO ANTONIO FERREIRA LIMA: 

" Tobias de Aguiar, embora não saiba a maioria dos policiais militares, é o nome do marido da nobel paulistana, Marquesa de Santos, famosa amante do Imperador D. Pedro I.. Nome que lembra traição batiza uma polícia desmedida. Recordista em número de mortes e envolvida em nebulosas ocorrências, esta polícia é alvo não só de questionamento na sua conduta, mas também de popularidade perante a população que pensa defender. As estatísticas não mentem como sua manipulação de dados. A Justiça Especial, que lhes dá guarida, aponta, quando fornece dados, que seus grandes heróis ostentam inúmeras mortes. E disso, quando não condecorados, se orgulham. Esperam um afago de sua Justiça, Militar, para que possam continuar a distribuição de cadáveres."
_________________________________________________________________________________

VINTE ANOS DEPOIS, O QUE MUDOU, FOI PARA MUITO PIOR.

É PRECISO URGENTEMENTE MOSTRAR QUE A "POLÍCIA DE NINGUÉM", TEM JEITO, TEM PESSOAS DIGNAS E CAPAZES DE PRODUZIR UM RESULTADO MUITO MELHOR DO QUE EXTERMINAR GENTE. 

DO CONTRÁRIO, POR MAIS QUE SE QUEIRA DIZER QUE SE TRATA DE PESSOAS QUE "DESCONHECEM" A REALIDADE BRASILEIRA E O QUANTO O SISTEMA É PERVERSO, SEMPRE TERÃO VOZ E VEZ, AS QUE APRESENTAM ESTATÍSTICAS DA ALTÍSSIMA E SEMPRE CRESCENTE CAPACIDADE  DE EXTERMÍNIO DENTRO DA CORPORAÇÃO.



Letalidade da PM é escandalosa, diz diretor da Anistia Internacional no BR


A polícia de São Paulo, destaca o diretor, matou em apenas 6 meses, aproximadamente, quase o que todas as polícias dos Estados Unidos matam em um ano
Atila Roque é diretor da Anistia Internacional no Brasil
Atila Roque é diretor da Anistia Internacional no Brasil – Foto: Arquivo Pessoal
No país há uma “classe perigosa”, composta por jovens negros e moradores da periferia. É com esta premissa que opera a repressão policial no país, afirma o diretor da Anistia Internacional no Brasil, Atila Roque.
Em entrevista à Ponte, Roque diz ainda que existe, por parte da sociedade, grande aceitação das mortes cometidas pelos agentes das forças de segurança, principalmente devido à forma como normalmente esses crimes são retratados pela chamada “grande mídia”. A seguir, a entrevista com Roque:
PONTE - O total de mortos por PMs no estado de SP subiu de 269 (primeiro semestre de 2013) para 434 (primeiro semestre de 2014). Como o senhor avalia esse crescimento de 62% no número de mortos por PMs, seja no trabalho ou na folga?
ATILA ROQUE - Infelizmente essa variação reforça um padrão histórico de alta letalidade nas ações policiais decorrente de um conjunto de fatores, que incluem uma polícia formada para a “guerra” e para a eliminação do “inimigo”, despreparo técnico e psicológico dos profissionais que atuam na ponta do policiamento e, sobretudo, uma doutrina de segurança pública estruturada desde sempre por uma lógica de repressão e controle das “classes perigosas”, o que leva a uma alta concentração de jovens negros e pobres da periferia entre os mortos pela polícia.
“São dados escandalosos. Estamos a caminho de voltar ao patamar de quase mil mortes por ano, somente no Estado de São Paulo”
Podemos acrescentar a isso uma naturalização da violência que resulta em um grau alto de aceitação por parte da sociedade – alimentada por uma grande indiferença da grande mídia sobre as circunstâncias em que essas mortes ocorrem – que acaba por considerar o que deveria ser percebido como um escândalo nacional, como um fato supostamente inevitável da luta contra o crime. Sem uma mudança de fundo na doutrina da segurança pública e na estrutura militarizada das polícias, juntamente com um compromisso efetivo das altas autoridades do estado, a começar pelo governador, com um policiamento voltado para a garantia do direito à segurança pública de todas as pessoas, independente da classe social, local de moradia ou cor da pele, continuaremos a conviver no Brasil e em São Paulo com a triste realidade de ter uma das polícias que  mais mata e mais morre do mundo.
PONTE - Como o senhor classifica os índices de letalidade da PM de São Paulo?
ATILA ROQUE - São dados escandalosos. Estamos a caminho de voltar ao patamar de quase mil mortes por ano, somente no Estado de São Paulo, o mais rico e moderno do Brasil. Basta pensar que a polícia de São Paulo matou em apenas 6 meses, aproximadamente, quase o que todas as polícias dos Estados Unidos matam em um ano. Para se ter uma ideia, em 2012 a polícia da cidade de Nova Iorque matou (em serviço e fora de serviço) 16 pessoas. A da Filadélfia, no mesmo ano, matou 54 pessoas.
PONTE – Na sua opinião, como seria possível fazer com que a PM de São Paulo matasse menos?
ATILA ROQUE - É importante dizer que esse não é um desafio restrito a São Paulo, onde pelo menos temos acesso aos dados referentes a essas mortes. Com exceção de poucos estados, como é o caso de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, o Brasil simplesmente não sabe quantas pessoas morrem nas mãos das policias, seja em serviço ou fora de serviço. Isso em um país em que mais de 50 mil pessoas são vítimas de homicídio todos os anos é um fato de extrema gravidade, considerando que a primeira medida para se executar qualquer política de redução da letalidade policial é saber quanto o estado mata e em quais circunstâncias.
Em relação a São Paulo, é necessário um comprometimento mais amplo de todas as esferas do estado, em especial do governador e das instâncias legislativas, para a implementação de políticas efetivas de redução da letalidade, o que inclui não apenas treinamento e protocolos claros sobre as circunstâncias em que o uso de armas de fogo é aceitável, mas, sobretudo, investigação rigorosa e independente sobre as situações que resultam em mortes de suspeitos.
Em relação a São Paulo, é necessário um comprometimento mais amplo de todas as esferas do estado, em especial do governador e das instâncias legislativas, para a implementação de políticas efetivas de redução da letalidade, o que inclui não apenas treinamento e protocolos claros sobre as circunstâncias em que o uso de armas de fogo é aceitável, mas, sobretudo, investigação rigorosa e independente sobre as situações que resultam em mortes de suspeitos. A responsabilidade sobre isso cabe não apenas a Secretaria de Segurança Pública, mas especialmente às instâncias externas de controle, como o Ministério Público e outras instâncias da Justiça. O que temos visto, lamentavelmente, é um patamar alto de impunidade e baixo nível de investigação para situações de homicídios envolvendo policiais. Em geral a versão da polícia de que foi uma morte decorrente de reação por parte da pessoa suspeita costuma ser aceita como ponto de partida legítimo da investigação, com raras exceções – como, por exemplo, o caso dos dois homens mortos na semana passada quando, tudo indica, foram surpreendidos e mortos pelos agentes policiais em uma ação de pichação de um prédio e não de ação criminosa violenta. Nesse caso a investigação, esperemos, será capaz de apontar o que aconteceu de fato e a responsabilidade dos policiais envolvidos.
PONTE – Que avaliação o senhor faz da resolução nº 5, feita pela Secretaria da Segurança Pública em janeiro de 2013, que recomenda que a polícia não socorra feridos nas ruas e aguarde atendimento especializado?
ATILA ROQUE - Acho ainda cedo para avaliar plenamente os efeitos dessa medida. Em princípio ela se mostrou positiva, pois dificulta que se forjem os chamados autos de resistência e falsos socorros de pessoas executadas em ações criminosas de alguns policiais. Mas a redução da letalidade decorrente de ações policias e das mortes de policiais em serviço ou fora de serviço não depende de uma medida isolada, mas de um conjunto de fatores que formam a política de segurança pública como um todo e as ações das policiais em particular, inclusive bom treinamento, remuneração e apoio psicológico aos profissionais.

APENAS PARA FICARMOS COM O CASO DOS PICHADORES DA MOÓCA, É CERTO QUE SE DEPENDER DA JUSTIÇA MILITAR, EM BREVE, TODOS VÁO RECEBER SEUS ALVARÁS DE SOLTURA. NO PRESÍDIO, COMO SE DIZ, ESTÃO "DIBÔUA". LOGO, "NÃO VAI DAR NADA".

SÓ PODEMOS CRER QUE ALGO VÁ ACONTECER, EM TERMOS DE RESPONSABILIZAÇÃO DO ESTADO PELA PERDA INÚTIL E SEM MOTIVO DE 2 VIDAS, SE ACONTECER O QUE DEVERIA SER O USUAL: O CASO FOR REMETIDO AO TRIBUNAL DO JÚRI, QUE É O CORRETO, LEGAMENTE FALANDO. ENTÃO, SE E QUANDO UM MEMBRO DO MP ISENTO E CUMPRIDOR DE SEUS DEVERES REPARAR NAS ARMAÇÕES E MENTIRAS, PODEMOS RESPIRAR ALIVIADOS, PORQUE AINDA TEM JEITO. ENQUANTO O ESTADO MATAR E NADA ACONTECER AO ESTADO PORQUE SEUS PRÓPRIOS AGENTES AJUDAM A OCULTAR OS RESULTADOS "INCONVENIENTES", ESTAMOS TODOS EM TREBLINKA, OU EM AUSCHWITZ.

VEJAM A FICHA CRIMINAL DE APENAS UM DOS POLICIAIS, QUE JÁ SE ENVOLVEU EM HOMICÍDOS MAS TEM DOIS PROCESSOS "SUSPENSOS":

EM 2001, DEU EM??? NADA!

0000359-57.2001.8.26.0052 (583.52.2001.000359) Suspenso
Ação Penal de Competência do Júri
Área: Criminal
Homicídio Simples
25/07/2012 00:00 - Conversão de Dados - Arquivo Geral - caixa 9515/12
Direcionada - 23/01/2001 às 00:00
1ª Vara do Júri - Foro Central Criminal - Juri
05201000359400
Inquérito Policial nro. 28509/2000 - 1ª Companhia do 21º Batalhão de Polícia Militar Metropolitana - São Paulo-SP
Exibindo todas as partes.   >>Exibir somente as partes principais.
Partes do Processo
Indiciado: Jorge Luis Pereira Júnior
Indiciado: Geroges Alípio Courcouvellis
Indiciado: Amilcezar Silva
Vítima: André Luiz Chaves de Lima Silva

EM 2004, DEU EM??? NADA!


0002395-67.2004.8.26.0052 Suspenso
Crime de Homicídio Doloso (art. 121, CP)
Área: Criminal
Direcionada - 15/06/2004 às 17:16
1ª Vara do Júri - Foro Central Criminal - Juri
38630/2004, 5204.002395-0
Exibindo todas as partes.   >>Exibir somente as partes principais.
Partes do Processo
Autora: Justiça Pública
Vítima: GILBERTO OLIVEIRA DOS ANJOS
Declarante: EDSON RIBEIRO BATISTA
Declarante: Amilcezar Silva
Declarante: VITOR CARLOS DE SOUZA

EM 2014, VAI DAR EM??? NADA TAMBÉM???

POR ENQUANTO, NEM É POSSÍVEL CONSULTAR NADA SOBRE O CRIME:

Pesquisa

1ª Instância por Nome da Parte

Pesquisa realizada em: 28/04/2015 às 13h18m.
As informações exibidas têm caráter meramente informativo e não oficial.
Limitadas nos termos do Provimento 036/13-GabPres, que institui as Normas de Serviços da Corregedoria Geral da Justiça Militar, Capítulos V e VI.
Indiciado(s)
REGrad.Nome
8744351.SGTAMILCEZAR SILVA
Obs: Para visualizar os detalhes do processo clique no número do RE.






CLICANDO NO NÚMERO DE R.E.:

RE: 874435-1
Graduação: PRIMEIRO SARGENTO
Nome: AMILCEZAR SILVA

Feito(s) referente(s) ao RE: 874435-1
FeitoNatureza
Não há feito cadastrado que possa ser disponibilizado.

AGORA SÓ DEPENDE DE QUAL AUTORIDADE QUE VAI PRESIDIR O PROCESSO. SE FOR AUDITORIA MILITAR... ESQUEÇAM! NÃO VAI DAR EM NADA. 

A "POLÍCIA DE NINGUÉM" QUE O PROMOTOR CRITICOU HÁ 20 ANOS É A PM DE HOJE QUE CONTINUA SENDO UMA FORÇA QUE MUITO EXIGE DE SEU EFETIVO E QUASE NADA DÁ EM TROCA.
FARTURA SÓ DE HUMILHAÇÃO, PERSEGUIÇÃO, MENTIRAS QUE RESULTAM EM DOR, SOFRIMENTO, REVOLTA E NÃO RARO, SUICÍDIOS.
QUANDO SE SUBJUGA ALGUÉM À MÁXIMA PRESSÃO, É POSSÍVEL QUE SE ANIQUILE A VÍTIMA, MAS NUNCA SEM RESPINGAR SANGUE NA CARA DO OPRESSOR. 

POR ISSO, É MAIS DO QUE HORA DE SE PERGUNTAR PARA A "POLÍCIA DE NINGUÉM" SE ESTA CORPORAÇÃO QUE MUDAR A IMAGEM E O CONTEÚDO PARA SER MELHOR, PORQUE TEM CAPACIDADE DE SER, FALTA VONTADE, ESTÍMULO, RETRIBUIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS.

A INVERSÃO DE VALORES É PERVERSA: O QUE FAZ A PRAÇA DIFERENTE DO OFICIAL? NADA, EXCETO O FATO DE QUE É A BASE QUEM SUPORTA TODO O PESO DAS CONVENIÊNCIAS E DOS DESVIOS.

NO FINAL DAS CONTAS, UMA ESTRELA (PELO MENOS UMA!) APARECE NA TV FALANDO QUE O PM MATOU, ABUSOU, MACHUCOU E TODO O MAIS; MAS NÃO SE PERMITE QUE SEJA ENTREVISTADO UM SOLDADO PARA CONTAR O QUE ACONTECE COM QUEM DESOBEDECE... 

FAZ MUITO TEMPO QUE ESSA "POLÍCIA DE NINGUÉM" PRECISA SER REFORMADA, PARA QUE A POLICIAL FEMININO POSSA CONTAR COMO É QUE FOI ESTUPRADA E O COMANDANTE DELA MANDOU DESTITUIR A DEFESA QUE NÃO TEM RECEIO DE FALAR A VERDADE. NÃO SÓ CONTAR A VERDADE, MAS PERMANECER NA CORPORAÇÃO, SEM AMEAÇA DE EXPULSÃO E SEM PODER ILIMITADO NAS MÃOS DE CANALHAS, QUE ABUSAM AO EXTREMO DESSE PODER.

O POLICIAL OPRIMIDO, NÃO PODE, DEPOIS DE TODA A TRAVESSIA DO INFERNO, SER OBRIGADO A MENTIR PARA CONTINUAR NA CORPORAÇÃO, TRAINDO SUA PRÓPRIA DEFESA E A ELA ATRIBUINDO ATOS QUE NUNCA PRATICOU E FATOS EM QUE NÃO SE ENVOLVEU.

A JUSTIÇA MILITAR PRECISA SE RECOLHER AO SEU LUGAR, QUE NÃO PODE SER O DE ENCOBRIR CRIMES DE OFICIAIS QUE SE JULGAM ACIMA DO BEM E DO MAL AO PONTO DE INSISTIREM EM OBTER JULGADOS EM ALTAS CORTES, MESMO QUE SUAS TESES JÁ TENHAM SIDO ESGOTADAS. ALIÁS, É UM MISTÉRIO COMO É QUE VÁRIOS CORONÉIS, DEPOIS DE 10 ANOS DE ACUSAÇÃO DE PARTICIPAÇÃO EM CRIMES GRAVES, COMO A MATANÇA DE CIVIS EM OPERAÇÕES DE EXTERMÍNIO, ACABA TENDO O NOME APAGADO DOS REGISTROS LEGAIS!

TAMBÉM MISTERIOSO O COSTUME DE JULGAMENTOS EM CLARA USURPAÇÃO DE COMPETÊNCIA, QUE OS TRIBUNAIS SUPERIORES, ATENTOS, ACABAM DEVOLVENDO ÀS AUTORIDADES LEGÍTIMAS, SEGUNDO O TEXTO LEGAL.

ESSA A RAZÃO PRINCIPAL PARA QUE A "POLÍCIA DE NINGUÉM" CONTINUE SENDO À IMAGEM E SEMELHANÇA DO TEMPO DO IMPÉRIO, UMA POLÍCIA APTA À DEFESA DAS ELITES. PARADOXALMENTE, DAS MESMAS ELITES QUE OPRIMEM E MASSACRAM OS DESIGUAIS, PORQUE AOS IGUAIS, ACOLHEM, ABRANDAM, ENFIM: "PASSAM O PANO".
E EXEMPLOS DE "PANO PASSADO" SÃO ABUNDANTES DEMAIS PARA NÃO SEREM CITADOS: SÓ NAS ESPECIALIZADAS, GENTE QUE ENRIQUECEU À CUSTA DE PROPINAS QUASE "INSTITUCIONAIS", PAGAS ÀS "PRIMAS" MAIS RICAS. NÃO, NÃO SE TRATA DE EUFEMISMO PARA FALAR DA PROSTITUIÇÃO, MAS DE ENCLAVES DENTRO DA CORPORAÇÃO, QUE SÃO "INTOCÁVEIS". QUEM NÃO CONHECE A MÁ-FAMA QUE TEM NO PAÍS INTEIRO AS POLÍCIAS QUE CUIDAM DE RODOVIAS E DE ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL? E BOMBEIROS?

SE O CIDADÃO COMUM SOUBESSE UM FIO DE CABELO DO QUE SUCEDE NESSES ESPAÇOS, CERTAMENTE MEDALHAS AS MAIS DIVERSAS CAIRIAM COM PESO ESTRONDOSO, ESPATIFANDO-SE NO CHÃO ONDE NÃO SE PODE ACHAR NEM UM CACO DE DIGNIDADE, DE DECÊNCIA OU DE VALOR QUALQUER.

ANTECEDENTES CRIMINAIS GRAVES, COMO DE HOMICÍDIOS COM CARACTERÍSTICAS DE EXECUÇÃO, SÃO SIMPLESMENTE "APAGADOS" DE FORMA A LUSTRAR EGOS INFLÁVEIS QUE MAIS PARECEM BALÕES DE GÁS.

ERA DISSO QUE FALAVA O PROMOTOR QUANDO ABORDAVA O TEMA DA VIOLÊNCIA POLICIAL QUE INTITULOU "POLÍCIA DE NINGUÉM".

HÁ OS FALSAMENTE CÉLEBRES, COPIADORES DE TEXTO QUE REESCREVEM PARA DELEITE DA CLAQUE ENCONTRADIÇA NOS SALÕES NOBRES, CORTINAS VERMELHAS DE VERGONHA DA FRAUDE PERPETRADA CONTRA A VERDADE.

TAMBÉM OS QUE APESAR DE QUASE 20 ACUSAÇÕES DE EXTERMÍNIO, CONSEGUEM APAGAMENTO DESSES CRIMES.

OUTROS AINDA, QUE ESTÃO PENDURADOS E GRUDADOS HÁ MAIS DE 50 ANOS NO "SERVIÇO PÚBLICO" DE QUE SE SERVEM DE FORMA PRIVADA PARA ESPICHAR AS VANTAGENS, SEM A MENOR VERGONHA DE SUGAR OS COFRES PÚBLICOS.

O TRAÇO COMUM DE TODAS ESSAS MAZELAS? A NOSSA RAIZ DE VIOLÊNCIA, ONDE ESTE BLOG DESTACOU HÁ QUASE UM ANO:

Foi tornado público por exemplo, nos diários de grande circulação e em diversos espaços virtuais, principalmente os blogs, as pressões que o governador sofreu, com ameaças ao Secretário de Segurança Pública, para que aumentos diferenciados à Polícia Civil não ocorressem. No entanto, a nota de maior destaque foram as AMEAÇAS que coronéis fizeram no episódio, publicadas na imprensa! Parece que a “pressão” exercida contra o governador deu resultado, porque, logo em seguida, o aumento foi horizontal, de apenas 7% e igualitário para todos os policiais, civis e militares.


Com a publicação do Projeto de Lei 33/2013 do Exmo Sr Governador de São Paulo, Geraldo
Alckmin, a insatisfação tomou conta dos policiais e bombeiros de São Paulo, do soldado ao coronel, a uma só voz, o que se tem é uma grande insatisfação com o reajuste salarial anunciado no PL 33/2013.
Entre os policiais civis a insatisfação é ainda maior, do carcereiro ao delegado, também a uma só voz, se tem insatisfação, para a Polícia Civil ainda foi pior, o plano de carreira conquistado a duras pena e com muita luta (PEC35 e PEC19) não foi cumprido deixando a PC estagnada.
A desvalorização de tão importantes segmentos do serviço público de segurança leva a insatisfação geral, desmotivação e assim, consequentemente, quem sofre as consequências é a população que a duras penas paga impostos altíssimos sem ter nenhum retorno.
O que resta é aguardar as eleições de 2014 e, nas urnas, refletir os sentimentos de hoje.


AFINAL, PARA QUÊ PRECISAMOS DE UMA POLÍCIA TÃO RUIM, VIOLENTA E SOBRETUDO CORRUPTA? A RESPOSTA É: PARA CONTER OS AVANÇOS DA SENZALA SOBRE A CASA GRANDE. 

POLÍCIA É PARA PROTEÇÃO DO ESTADO, PATRIMÔNIO DE PESSOAS, EMPRESAS E BANCOS. SOBRETUDO DAS PESSOAS QUE TEM DESTAQUE SÓCIO-ECONÔMICO. 

TODO O "RESTO", É SERVIÇAL, BAJULADOR QUE ENTREGA O DIPLOMA PARA SER PISOTEADO OU VENDIDO AO CRIME, OU, NO FIM, PARA EXTERMÍNIO.

Jornal BRASIL DE FATO:

 

“Homicídios no Brasil superam os de países que vivem em guerra”

Entre 2004 e 2007, 147.343 pessoas morreram por armas de fogo no país; No mesmo período, Iraque, Sudão e Afeganistão registraram 101. 400 mortes
Com 22 mortes para cada 100 mil habitantes, o Brasil tem índices de violência epidêmica (países com mais de 10 mortes para cada 100 mil pessoas, consoante critério da ONU).
Muitos são os fatores geradores dessa violência, de onde se destaca a corrupção, que é uma das fontes mais relevantes da impunidade. Quanto mais corrupto o país maior a impunidade e quanto mais impunidade, mais assassinatos, que prosperam desregradamente nos países que dão a sensação de território sem lei.
Longe de ser considerado quintal de potências em declínio, o Brasil está sendo PRESENTEMENTE observado como nação a ser auxiliada a cuidar dessa epidemia, que atrapalha relações nacionais e internacionais.
Logo após ter sediado, em novembro último, a 15th IACC – International Anti-Corruption Conference, em Brasília, o  país desde junho último, se prepara para comandar, no próximo mês de outubro, comitê sobre VIOLÊNCIA URBANA...
A violência nua e crua, aquela que choca o cidadão comum e faz pensar que tudo está perdido, que nada mais adianta ser feito, que estamos todos mergulhados em ambiente inóspito onde QUEM PODE MAIS CHORA MENOS ou, no jargão das PM MANDA QUEM PODE E OBEDECE QUEM TEM JUÍZO, ou pior: que se pode CRIMINALIZAR QUALQUER DENUNCIANTE ETERNAMENTE, precisa ser combatida e vencida.
O simples fato de um agente do Estado agir como  quem está “IRREMEDIAVELMENTE” blindado contra consequências de atos de bandidagem rasteira, fortalece a impressão social impregnando o inconsciente coletivo com a certeza da invencibilidade desse inimigo público: a CORRUPÇÃO.



ESSES COMPORTAMENTOS CITADOS PELA IMENSA MAIORIA DOS SEGMENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS DE IMPRENSA E DE DEFESA DE DIREITOS HUMANOS, PRECISAM SER CONHECIDOS, PROCESSADOS E JULGADOS, ATRAVÉS DE INSTRUMENTOS HÁBEIS QUE A LEGISLAÇÃO JÁ POSSUI, MAS QUE O ESTADO TOTALITÁRIO AINDA NÃO TEVE VONTADE DE PUBLICIZAR, PORQUE NÃO LHE CONVÉM. 

A VIOLÊNCIA QUE ESSE BLOG MOSTRA, É AQUELA CUJOS ALVOS SÃO POLICIAIS MILITARES, OS MESMOS PM QUE INTERESSA À CASA GRANDE, SEJAM ODIADOS PELA SENZALA. 



A POLÍCIA DE NINGUÉM ESTÁ ESGOTADA E NÃO HÁ SAÍDA A NÃO SER DESMILITARIZAR E DAR DIREITOS IGUAIS A TODOS.


Se os bons se calarem e nada fizerem, casos como o do Sd PM JULIO CÉSAR LIMA DO NASCIMENTO, assassinado com 18 tiros um mês depois de denunciar o comandante de sua unidade TenCel HENRIQUE DIAS/42ºBPM – como envolvido em roubo de cargas e grupos de extermínio...



ou da morte do CORONEL HERMÍNIO comandante do 18ºM porque ELE ATRAPALHAVA PLANOS DE ALTA ENVERGADURA NO TERRENO DA CORRUPÇÃO, não apenas na área de transgressões disciplinares...



ou o assassinato de uma família de PMs, sendo que a Cb ANDRÉIA era do mesmo 18ºM e participou de investigações sobre grupos de extermínio na PM (sumiu a apuração que estava em andamento logo depois dela ser morta)... VÃO PERMANECER IMPUNES! Continuarão a ser meras estatísticas e quem tiver envolvimento real, jamais será punido.

Pode acontecer como resultado da suprema hipocrisia reinante, que os envolvidos sejam justamente os que vão julgar os que nenhuma culpa tem.


ENQUANTO PESSOAS MANIPULÁVEIS TIVEREM O PODER DE DIZER O CERTO E O ERRADO, CONTINUARÁ A EXISTIR UM ABISMO FAVORÁVEL ÀS CRIATURAS QUE SÃO MUITO MAIS PERIGOSAS QUE OS "ESTRANGEIROS" DE OUTRORA, PORQUE ELAS NÃO REPRESENTAM O PODER DO ESTADO, MAS SÃO O PRÓPRIO PODER.

E POR ISSO, DESTROEM VIDAS A SEU BEL PRAZER E NÃO SE IMPORTAM: TANTO FAZ SE É BANDIDO OU POLÍCIA, A ORDEM É EXTERMINAR OS DIFERENTES.

A TAREFA DE DESTRUIR VIDAS, FAZ PERDER A HUMANIDADE, O SENSO DO PERIGO E DO RIDÍCULO.



PODEM ABRIR A BOCA  E MUDAR O RUMO DA VIDA DE QUALQUER SUBORDINADO; PODEM SUBTRAIR SEUS DIREITOS CONQUISTADOS À CUSTA DE MUITAS LUTAS E PODEM ATÉ ENGROSSAR AS FILEIRAS DO ENCARCERAMENTO SEM QUALQUER MOTIVO VÁLIDO.

BASTA QUERER. PARA O BEM OU PARA O MAL.

ESSE É O DIREITO? ESSA É A JUSTIÇA? INFELIZMENTE SIM.

MUITO (DES)PRAZER, ESSA É A "POLÍCIA DE NINGUÉM".



Sandra Paulino

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

A PM DEFENDE OS PM?

Quem sou eu