sábado, 12 de julho de 2008

CORONEL VENDE ATÉ O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR...E FAZ A CORTE PARA ELES(oficiais)

Prostíbulo pagava PMs por segurança e oferecia ''mimos''Lobista distribuía presentes a oficiais da PM e diz que até comandante-geral se beneficiariaMarcelo Godoy e Rodrigo PereiraO esquema de tráfico de influência e corrupção que manteve aberto o prostíbulo de luxo W.E. pagava R$ 2,5 mil por mês para usar policiais militares em sua segurança externa ao mesmo tempo em que distribuía mimos a oficiais da Polícia Militar.
Escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal (PF) flagraram o lobista da quadrilha, o coronel da reserva da PM Wilson de Barros Consani Junior, conversando sobre a concessão de camarotes "com comes e bebes livre" na 13ª Festa do Peão de Osasco ao comando da PM, que nega ter recebido o presente.
Ao todo, Consani conversa oito vezes com três coronéis, um tenente-coronel, um major e um capitão, entre os quais os coronéis Arivaldo Sérgio Salgado, chefe de gabinete do comandante-geral, e João Antônio Ribeiro Ferreira, diretor de Telemática da PM.
O lobista afirma ainda que até o comandante-geral da corporação, coronel Roberto Diniz, se beneficiaria dos camarotes.
Apreendida pela PF na Operação Santa Tereza, a contabilidade do prostíbulo usado para traficar mulheres e lavar dinheiro desviado do BNDES, mostra que a quadrilha pagava R$ 2,5 mil por mês para a "segurança externa PM". Além disso, o bando gastava R$ 8,5 mil mensais com "segurança-coronel".
Localizado na Rua Peixoto Gomide, em Cerqueira Cesar, região central de São Paulo, o W.E. funcionou até 25 de abril, quando foi fechado pela Prefeitura a pedido da PF. No relatório da operação, a PF informa que não há dúvidas de que "Consani era o responsável pela manutenção da casa aberta junto aos órgãos policiais e de fiscalização".
A PF exemplificou a participação de Consani por meio de comprovantes de depósitos bancários de até R$ 18,6 mil achados na W.E..
Em 17 de março, a PF flagrou conversa do gerente financeiro da casa, Celso Murad, com o empresário Manuel Fernandes de Barros Filho, dono da casa. Celso diz que o coronel "veio hoje porque ele tem o acerto para fazer".
CAMAROTES
Além de ser o assessor de segurança da Força Sindical e do prostíbulo usado para lavar dinheiro do BNDES, o coronel cuidava de eventos, como a Festa do Peão de Osasco.
Em alguns casos, ele misturava essas atividades para obter favores para clientes e amigos.
As escutas mostram, por exemplo, Consani oferecendo em 12 de abril ingressos ao capitão Neliton, do Centro de Operações da PM, para agradecer o envio de uma viatura da PM para dar segurança a um jogo do Esporte Clube Força, o time de futebol do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT).
A partida se realizaria às 11 horas daquele dia no estádio do Flamenguinho, em Guarulhos, na Grande São Paulo. "Ô, chefe, pra essas coisas boas ninguém liga", diz o capitão.
Os ingressos para a festa, que começou dia 10 de abril e se estendeu até o dia 20, custavam R$ 25.
O camarote para oito dias de festa, com capacidade para dez pessoas, saía por cerca de R$ 3 mil. Entre os artistas que se apresentaram estavam Mateus Minas e Leandro, Edson e Hudson, Victor e Leo, Bruno e Marrone e Chitãozinho e Xororó.
Cerca de 250 mil pessoas compareceram à festa.
No dia 7 de abril, às 9h06, o coronel Consani conversa com o tenente-coronel Henrique Cesar Mendes, do 14º Batalhão da PM, responsável por Osasco.
O lobista conta que um emissário ia entregar para o coronel ainda naquele dia "os camarotes da PM".
Em seguida, ele diz que ia no dia 12 ao Comando-Geral e avisava o tenente-coronel que "o Brandão, o Daniel subcomandante, o Diniz em um ou outro dia eles vão".
Os coronéis citados por Consani são: Roberto Diniz, comandante-geral, Daniel Rodrigueiro, subcomandante-geral, e Aílton Araújo Brandão, chefe do policiamento da capital. "Me pediram até os ingressos e eu vou combinar com eles que o dia em que eles forem eu te aviso e aí a gente faz a corte para eles", diz Consani.
Mendes deixa claro que sabe as intenções do lobista. "Vocês fazem isso até para aumentar a segurança interna, porque tendo policiais vocês têm uma vantagem sobre isso." No dia 10, Consani fala com o coronel Álvaro Batista Camilo, chefe do policiamento no centro de São Paulo. Camilo diz a Consani que não vai à festa e vai entregar os ingressos que recebeu ao coronel Brandão "pra ir no mesmo esquema".
Em 18 de abril, o coronel Salgado telefona a Consani e pergunta sobre os ingressos para o show. Conta que o diretor de Telemática da PM também quer ir.
Consani então combina com o coronel João Antônio que vai arrumar cinco ingressos para sexta e sábado para o coronel. "Mas eu não vou te dar trabalho?", pergunta João Antônio.
"De jeito nenhum, pelo contrário, vai me dar prazer", diz Consani.
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
PELOTÃO DE FUZILAMENTO...
ESSE NÃO FEZ A CORTE...
FEZ UM ENORME CORTE NA MORAL DA PM.
E MEU CARO CAPITÃO: CHEFE...
CHEFE!
QUE INTIMIDADE É ESSA ENTRE UM CAPITÃO DA ATIVA E UM APOSENTADO.
SIM, APOSENTADO.
A DEFINIÇÃO PARA QUEM É DA "RESERVA".
COMO TEM TRANQUEIRA!
Postado por roberto conde guerra às 17:52 3 comentários Links para esta postagem
Marcadores:
FONTE: BLOG FLIT PARALISANTE

Um comentário:

Anônimo disse...

vai vendo... depois olha só o que eles fazem com a gente.

Arquivo do blog

A PM DEFENDE OS PM?

Quem sou eu