segunda-feira, 31 de março de 2008

Minha Opinião Sobre João Baptista Figueiredo

Figueiredo foi quem assumiu em 1979 o compromisso de devolver ao povo o sistema democrático de governo, sindicatos foram reabertos e SBC ferveu, nascendo o líder sindical Lula.Com a ocupação de fábricas nas cidades de Osasco, vaticinou que havia muito poder nas mãos da polícia civil de SP, indevidamente, aliás ainda hj o lugar mais violento da gde SP.Os direitos políticos foram devolvidos e os cassados puderam voltar, assim como os perseguidos; uma espécie de “homenagem” velada contra a prisão do pai, na revolução de 32, que foi também exilado.Foi pra Academia de Realengo como melhor aluno e em 37 em sua cerimônia de formatura, lembrou isto ao ditador Vargas quando era elogiado dizendo “espero não acabar preso igual meu pai!”.Foi comandante da Força Pública em SP durante um ano, antes dela se tornar na PM de hoje por decreto em 1970, desfigurando o que era uma força de segurança que o povo respeitava e gostava.Falou o diabo qdo o CCC de Bóris Casoy atacou a casa de Dom Élder Câmara com rajadas de metralhadora.Embora seu ministro de governo, detestava Delfim Neto, o que queria ver “o bolo crescer”. Maluf era para ele um “puxa saco nojento”.A inflação no seu governo bateu recordes estratosféricos, pela crise mundial e pelas bobagens feitas por seus antecessores, como Geisel comprando lixo atômico e elefantes brancos dos alemães. Vieram saques a padarias e supermercados, como ele previu, pela fome dos trabalhadores com desemprego tbém recorde nas primeiras eleições quase livres, igualmente fruto de seu governo, quando a esquerda passou a assumir principalmente os governos estaduais.Tinha nojo de Serra e sempre o desmentia sobre o motivo de seu “exílio” em 1964, quando do incêndio da sede da UNE carioca e ameaçava contar o quanto o “líder” estudantil abriu para os militares.Idem FHC, que a própria Dona RUTE desmentiu dizendo que jamais foi exilado.Não suportava SARNEY, tanto que se recusou a lhe passar a faixa presidencial.A Reforma Universitária de 1968, tinha como base um relatório feito por um assessor yankee Rudolph Atcon, da UNESCO que, por força do cargo, vivia impondo suas próprias “diretrizes”, mandando endurecer com estudantes que eram, segundo esse mesmo yankee, jovens marionetes, usados por desordeiros para enfrentamento das polícias, no Chile, Brasil e Argentina.Figueiredo, embora soubesse que o sujeito era um poderoso no assunto “universidade”, que vinha ditando regras na America Latina desde a década de 60, botou o cara pra correr logo no início de seu governo, pois, enquanto chefe do SNI, cargo também exercido por seu irmão, sabia das patifarias feitas nas universidades de Brasilia, São Paulo e Minas Gerais.Sabia também que o país só mudaria com boa educação e que apenas os “filhos de rico” estudavam em universidades públicas, porque tinham estudado em boas escolas particulares antes.Falava mal do ensino público, que tinha profissionalizado na marra o antigo “colegial” e que isso era apenas mais um funil pra enfiar goela abaixo dos pobres.Foi ele quem nomeou a primeira ministra brasileira, Ester de Figueiredo Ferraz, na área de Educação.Depois veio Rubens Ludwig, militar, que Figueiredo se arrependeu de ter nomeado porque ele “não fez tudo quanto podia”.Temos a reforma da LDB que tirou o “lixo” da profissionalização compulsória no ensino de 2º Grau, bobagem feita pelos seus antecessores.Lamentava a ignorância, a má qualidade do ensino público e as crianças da zona rural fora da escola, assim como jovens e adultos em proporção de ¼ em todo o território nacional e os operários que não sabiam nem “ler um manual”.Para os que gostam de criticar sem nem saber do que falam, saibam que foi Figueiredo quem sugeriu ao Conselho Federal que a disciplina de FILOSOFIA voltasse para a grade curricular das escolas, mesmo que fosse opção, o que SP foi o primeiro Estado a providenciar, aproveitando o embalo e enfiando Psicologia e Sociologia junto.Algumas escolas, até hj não entendi por quê, optaram por não incluir nenhuma dessas disciplinas na grade curricular, um absurdo.Os educadores reacionários, na época, entendiam que isso “comunizava demais a moçada”, aliás, iguais aos que criticaram nessa mesma época os CIEPS de Brizola, que eram, segundo estes mesmos educadores caros e ideológicos demais.Figueiredo dizia que Brizola estava errado ao propor 4 hs de aula, pq deviam ser 8!Depois de algum tempo, com verba federal ajudando, os CIEPs passaram a ser período integral.Como ele sabia que no professorado estavam enrustidos muito déspotas, fazia questão de falar publicamente que eram “amigos do Maluf!”, pelas conhecidas repressões com polícia contra os bons, que esse nojento costumava fazer, igualzinho o Alckmin, punindo dezenas de diretores de escola até com demissão por justa causa forjada.As associações de docentes, principalmente as de ensino universitário NASCERAM e cresceram no governo Figueiredo JUSTAMENTE POR ISTO!Desenvolvimento e Pesquisa Tecnológica idem.Também na área de telecomunicações seu governo foi imbatível se comparado a tds os que o antecederam.Tanto isto é verdade que A PRIMEIRA CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO foi feita durante seu governo, na PUC/SP, em 1980, fazendo estrebuchar o estropício que tinha mandado invadir esse univerdade 3 anos antes.Foi um tapa na cara do secretário de segurança ERASMO DIAS que ele chamava de CARRASCO DIAS e do extinto e famigerado DEPARTAMENTO ESTADUAL DE ORDEM POLÍTICA E SOCIAL, DEOPS, no governo de Paulo Egidio, que queria proibir em 77 os estudantes de fazer seu encontro nacional.E embora essa CONFERÊNCIA dos docentes fizesse oposição ao regime militar, foi Figueiredo quem mandou recursos financeiros para a realização do evento pelo extinto FNDE, mandando também representantes do governo federal e de estados, tudo pago com dinheiro público, para que esses docentes pudessem participar, tudo muito diferente das proibições antigas contra a SBPC.Bem, no meu entender, errou Figueiredo em muitas coisas, do que eu lamento muito, como o desmatamento na Amazonia, mas quando chegou ao governo, contratou uma grande leva de funcionários novos para a FUNAI e pôs um sujeito cujo nome não me lembro, mas que era do Conselho de Segurnaça Nacional, mandando quase todos os militares de volta pros quartéis depois de analisar as informações que ele próprio recebeu de índios Xavantes.Sabia das maracutaias e e punha os aproveitadores pra correr, sem barulho.Queria índios em postos-chave na FUNAI e dizia que a fundação era “DELES”, os índios. Pediu, por isso mesmo, a emancipação da tribo Guarani e outra que não me lembro.Até a PETROBRAS teve de se explicar e obedecer normas que lhe foram impostas sobre direitos indigenistas, pela primeira vez desde sua criação, para exploração mineral em terras de índios.Figueiredo fez convênio com o Projeto Rondon, mandando dar assistência social e de saúde para populações carentes para escolher lideranças indígenas que pudessem de fato ocupar cargos para cuidar desse assunto indigenista.Abriu o olho demitindo muita gente do Ministério do Interior na crise aberta em episódio dos índios txucarramãe, por conta de exploração de minérios em terras indígenas.Foi de Figueiredo a PRIMEIRA INICIATIVA NACIONAL DE CRIAR UM MECANISMO LEGAL, PARA QUE O RESPEITO À INDIANIDADE EXISTISSE.Para isso, logo no início de seu governo, encomendou um estudo e criou o GRUPÃO, órgão que saiu da esfera FUNAI, onde era sabido desde o tempo no SNI da existência de uma concentração (ainda existente) de pessoas mal intencionadas e intimamente relacionadas com gringos e exploradoras dos índios tutelados.Foi ele que colocou tudo sobre decisões de demarcação de terras indígenas com o Conselho de Segurança Nacional.Fez a ressalva contra o poder da FUNAI de tal modo que até hoje isto passa por escalões superiores JUDICIAIS, porque se depender de gestores burocratas, os índios ficam “pelados”, vide o recente episódio dos Guarani-Caiowa.Aliás, os Guaranis só puderam pleitear seu direito agora, em pleno século 21, pq Figueiredo os tratou com o direito que eles tinham, mas ninguém dava.Costumava dizer que o Brasil não ia pra frente por causa dos ladrões.Ele próprio morreu com o patrimônio que amealhou em sua carreira, por salários comprovados.Até mesmo na área de DH ele foi sensível a muitos pedidos que lhe foram feitos e há registro de vários casos, como do filho do dramaturgo carioca, Nelson Rodrigues, além de muitos outros.No caso de Herzog, por exemplo, deu ordens ao II Exército em SP para punir exemplarmente os que tiveram qualquer participação, extensiva a punição aos demais, não ligados ao quartel.Sabia que tinha havido “arrumação” e como não suportava Harry Shibata nem Arildo Viana (médico legista parceiro de “atestados” duvidosos, que não entendo porque, mas ninguém fala dele), ainda comentou ao ver o resultado do IPM, que o Shibata era cínico, porque seu irmão, perito Silvio Shibata, é quem tinha ido buscar o corpo na Tutóia (rua Tutóia, SP, onde fica a “casa da vovó” em referência macabra ao “lugar de ganhar carinho” que era o 36° D. P., bem próximo aos portões da PE (Polícia do Exército) que fica na rua Abílio Soares, ambas no Ibirapuera.O cinto encontrado no cadáver de Wlado, sabia-se, NUNCA poderia ser parte do macacão usado por presos que nem cinto tem!Bem, 85 é o ano de minha formatura, coincidente com o fim oficial do regime militar e pelo que pude observar, ao menos do que puder ver e ouvir pessoalmente, sem interferências que desnaturam os fatos, Figueiredo não se parece, no comportamento funcional, nem lembra os ditadores que o governo militar nos legou, pois, muito ao contrário, ele era um homem que sempre me deu a impressão de que respeitava o ser humano e, penso, fez o melhor que podia, consideradas as circunstâncias de ser também ele um presidente do regime ditatorial.Sandra Aparecida Paulino – advogada – OAB/SP 80.955

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

A PM DEFENDE OS PM?

Quem sou eu